Conversa de Sofá

Por Diego Matias em 12/04/2017

Análise Darksiders: Warmastered Edition

Nos colocando no papel de um dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse, Darksiders: Warmastered Edition é um excelente jogo para os fãs de um bom hack ‘n’ slash com um belíssimo cenário e criaturas mitológicas.

Darksiders é produto de uma escola artística. Um período criativo na história dos jogos iniciado ou ao menos popularizado por God of War: jogos de ação no estilo hack ‘n’ slash em que cada inimigo derrotado rende pontos coletados através de Orbs coloridos que voam em direção ao protagonista. É isso.

Essa remasterização do jogo de 2010, subtitulado Warmastered Edition deixou ainda mais bonita a direção de arte marcante da série Darksiders e é uma boa oportunidade pra quem sente falta do gênero de ação em terceira pessoa muito popular na geração passada (PS3 e Xbox 360).

War. It’s fantastic.

Darksiders usa como cenário de fundo os elementos do juízo final da mitologia cristã (paralelo explícito com a franquia da Sony, baseada na mitologia grega) e nos coloca no controle de Guerra, um dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse, que precisa restabelecer o equilíbrio entre bem e mau pois o juízo final foi iniciado antes da hora e ele foi considerado o responsável pelo fim dos tempos.

Darksiders: Warmastered Edition

O cenário urbano do jogo, embora vazio de pessoas comuns, procura trazer a trama mais pra perto do jogador e assim avançamos por ruas, prédios e esgotos em meio a carros abandonados e estações subterrâneas. Após uma introdução rápida em que Guerra é mostrado como um guerreiro no auge de seus poderes, somos introduzidos à sua busca por redenção e é nessa hora que entra em cena aquele recurso bastante explorado em séries de ação: perdemos todos os equipamentos e teremos que recuperar nossas habilidades novamente. Pelo menos ganhamos um guia cuja voz é feita pelo querido mestre Jedi, Mark Hamill, na figura do demônio conhecido como Observador.

Eu sou mesmo exagerado

Salta aos olhos a direção artística dos personagens que faz todos serem brutamontes saídos de quadrinhos dos anos 90. É como um filme animado que usa estética de personagens oitentistas e essa decisão impõe um peso em Guerra que acaba atrapalhando a fluidez da progressão pelo cenário.

O herói é lento e mesmo com a habilidade de dar pequenos impulsos como em Megaman X, nem sempre é prazeroso percorrer a quantidade de corredores e ruas presentes nos cenários. O oposto ocorre quando mergulhamos em áreas com água; o efeito visual da submersão é bem simples mas me agradou bastante e nessa situação, nadar e usar o botão de impulso é bem divertido (uma área me lembrou muito Duke Nukem 3D, adorei), pena que o jogo não explore fases aquáticas de maneira mais complexa.

Darksiders: Warmastered Edition

Se o jogo tem poucas áreas embaixo d’água, o mesmo não pode ser dito dos puzzles, a ponto de tornar o combate um elemento secundário em certas vezes. Toda progressão pelas áreas do jogo está condicionada à resolução de enigmas com caixas, bombas, elevadores e alavancas e mesmo com alguns sendo bastante inteligentes, eu acabei achando cansativo – enquanto eu queria avançar na história, o jogo me presenteava com salas complexas e mecanismos vez após vez até eu alcançar o chefe da fase.

A parte boa é que mesmo os chefes são enigmas vivos e requerem mais do que só força para serem derrotados, alguns são bastante interessantes como uma aranha gigante com partes feitas de cristal e um verme gigante que te persegue por baixo da terra como em Ataque dos Vermes Malditos (OK, Shadow of The Colossus também mandou lembranças).

Metrô 743

A dinâmica da porção principal do jogo se desenvolve com Guerra viajando por diversas fases distintas a fim de recuperar o coração de cada um dos 4 chefes principais para que no final o caminho esteja livre e enfrentemos o Destruidor, entidade responsável pela bagunça toda. Sendo 4 chefes, o jogo se divide distintamente entre labirintos e áreas amplas onde é possível correr com agilidade.

Darksiders: Warmastered Edition

A questão da agilidade é resolvida com um auxílio obtido a certa altura do jogo, já a primeira parte é que sofre pois se passa quase toda em linhas de transporte subterrâneo. Usamos os túneis do metrô como corredor, vagões de metrô como plataformas e peças de puzzle, mergulhamos pelas linhas de metrô submersas e isso fica tão cansativo quanto ler “metrô”” 4 vezes seguidas numa só sentença. Ainda bem que esse excesso de corredores é amenizado pelo combate baseado em combos, poderes e movimentos de finalização em câmera lenta. Guerra evolui comprando habilidades e recebendo alguns ítens após certas batalhas como uma foice e um gancho para alcançar áreas secretas. O menu de itens desbloqueáveis é compatível com a evolução da nosso aprendizado e assim o combate nunca se torna enfadonho – a habilidade de se transformar em um demônio alado gigante é um ponto altíssimo!

Fantasia Mitológica não é bagunça

Darksiders não é um jogo AAA e tampouco pode exibir qualidades a frente do seu tempo mas algumas inconsistências acabam roubando a imersão e curiosamente o que é coerente com o estilo artístico do jogo nem sempre funciona no universo que ele apresenta. Um exemplo é que nas fases aquáticas, Guerra, o cavaleiro do apocalipse, precisa enfrentar peixes elétricos mutantes. Ainda que o design dos monstros esteja em sintonia com o ambiente à sua volta, ele bate de frente com a temática do jogo do mesmo jeito que a repetição excessiva de áreas no metrô.

Darksiders: Warmastered Edition

Além disso, tive que passar por uma espécie de tutorial atrasado, em que precisei entrar em 4 arenas pra derrotar grupos de inimigos utilizando técnicas de combate específicas em um período de tempo. Não tem nada de épico nisso. Mesmo com essas escorregadas, o jogo é sólido e não presenciei bugs ou glitches, exceto um logo no início da campanha: precisei comprar um artefato que seria usado pra abrir uma passagem. Algo aconteceu errado porque não recebi o item e ele sumiu do inventário do Vulgrim, o demônio comerciante nesse universo. Reiniciei o jogo, repeti a área e segui normalmente.

Smells Like Teen Spirit

Darksiders: Warmastered Edition me parece uma ótima indicação para jovens adolescentes ou pra quem ainda não viu muita coisa em termos de jogos de ação e um ponto que reforça isso são suas escolhas de temática e design (mesmo as inconsistências). Ele não se coloca como um jogo para adultos como God of War que possui certo grau de nudez e violência gráfica e a história dele também não procura levantar questões sobre fatalidade das escolhas e destinos amaldiçoados como Castlevania Lords of Shadow.

Darksiders: Warmastered Edition

Darksiders se coloca bem entre esses dois títulos com gráficos vibrantes e uma história simples protagonizada por guerreiros que podem não ser muito realistas mas possuem personalidades valorosas e carisma.

Let's rock and ride!
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise Prey (2017)

    Prey traz várias referências de títulos do gênero FPS que se consagraram no passado não apenas por ser um simples shooter, mas por expandir suas mecânicas de modo a construir uma experiência de ficção científica única para quem joga, confira nossa análise.

  • Análise Dragon Quest Heroes II

    Um clássico musou, Dragon Quest Heroes II lhe dá bons momentos de pancadaria contra hordas de inimigos e mesmo às vezes sendo repetitivo, diverte os fãs do gênero.

  • Análise STRAFE

    O mais sangrento, mortal e frenético jogo de tiro de 1996, essa é a descrição do roguelike de tiro em primeira pessoa STRAFE. Com fortes influências de outros jogos do gênero, como DOOM, o jogo é uma dose de nostalgia com algumas pitadas de decepção, confira nossa análise.

  • Análise Blackwood Crossing

    Blackwood Crossing é mais um jogo onde a jogabilidade fica um pouco de lado e somos imersos numa narrativa que trata de assuntos mais maduros.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS