Conversa de Sofá

Por Jefferson Gonçalves em 28/11/2017

Análise Liga da Justiça

Mesmo em meio a dúvidas, Liga da Justiça redefine o tom e mostra que podemos esperar um futuro cinematográfico menos sombrio para os personagens da DC.

Em 2014, quando a Warner Bros. anunciou seu calendário de produções do universo cinematográfico da DC Comics, nenhum outro filme chamou mais a atenção de fãs e do público geral do que Liga da Justiça. Muito mais até que Batman vs Superman: A Origem da Justiça, a “sequencia” de O Homem de Aço,  que tinha como missão preparar o terreno para a tão aguardada reunião dos heróis da DC. De lá para cá, após três anos e com quatro filmes desse ambicioso projeto lançados, Liga da Justiça consegue estabelecer o universo compartilhado da DC nos cinemas fazendo frente a sua rival Marvel?

Dirigido por Zack Snyder, a mente responsável em conduzir os elos entre cada produção, Liga da Justiça é um ótimo filme. A mudança de tom tão procurada pela Warner nos últimos anos, realmente começa a se mostrar, mesmo que ainda tenha as suas falhas. Muito disso, devido aos impasses e decisões em arrumar um trem que está em movimento e à toda velocidade.

Se você não esteve em Marte nos últimos dois anos, sabe que o filme da Liga veio rodeado de turbulências, seja pelas opiniões divididas em torno de BvS, os resultados insatisfatórios de Esquadrão Suicida, os bons resultados de Mulher-Maravilha e a saída de Zack Snyder durante a pós produção, deixando o processo de finalização e refilmagens nas mãos de Joss Whedon, a mente responsável por Os Vingadores (2010).

Logo de início, o espectador já pode perceber a alternância entre a concepção das duas cabeças por trás do projeto (Snyder/ Whedon). O tom do filme está mais leve em grande parte, sai o peso dramático e denso estabelecido em BvS, e entra a leveza visual e “aventuresca” apresentado em Mulher Maravilha. O que já era esperado, já que o filme da amazona foi um trator nas bilheterias e um balão de oxigênio e ânimo para os projetos futuros da Warner/ DC.

Flash (Ezra Miller) em ação em uma das cenas mostrando o trabalho em equipe da Liga da Justiça

Porém, se um por um lado tivemos a retomada de tom para os super heróis da DC, essa conquista também teve o seu custo, e isso é nítido no filme. A começar pelo desafio em introduzir novos personagens com seus próprios arcos antes de seus filmes solo. Apresentar Flash, Ciborgue e Aquaman implica em correr com a narrativa, caindo em um senso de urgência para dar espaço aos demais conflitos que o filme possuía, e não eram poucos. Apesar disso, o filme consegue segurar as pontas nas suas introduções, muito pelo carisma de Jason Momoa (Aquaman) e Ezra Miller (Flash) que apresentam muito bem seus personagens, onde a parte mais apática ficou com o Ciborgue (Ray Fisher), um personagem mais dramático em sua origem, mas com pouco tempo de tela.

Já para o lado dos principais heróis da Liga, temos uma Mulher Maravilha imponente e com um espírito de liderança que entra em sintonia com o clima do filme. Isso sem contar com o trabalho seguro desempenhado por Gal Gadot que praticamente se estabeleceu como a personagem, que já caminha para seu filme sequencia e é o maior acerto do longa.

O retorno do Superman é algo que também sofre com a urgência do roteiro, o que acaba deixando sem impacto a volta de um dos personagens mais importantes para a Liga. Em contrapartida, os fãs do herói podem finalmente abaixar a guarda, já que outro acerto do filme é finalmente apresentar a personalidade esperançosa e heroica do Superman, abandonando de vez a atmosfera escura e interiorizada mostrada em O Homem de Aço e BvS e resgatando as cores oficiais do herói.

Por fim, na busca por um tom mais leve para a Liga da Justiça, talvez quem mais tenha sofrido com as mudanças foi a personalidade do Batman de Ben Affleck. É aí que estão alguns escorregões do filme. O homem-morcego apresentado neste filme entra em choque direto com o vigilante vingativo e psicótico apresentado anteriormente, o que convenhamos é um ponto positivo, mas passa na medida do humor em alguns momentos, muito pelo roteiro reajustado. A veia cômica dada ao Batman tem alguns acertos, mas comete exageros que se tornam até desnecessários. A dose de humor funciona no geral para todos, mas quando passa da conta, alguns personagens ficam caricatos demais, mas ainda está longe de ser um problema da produção.

Mulher-Maravilha (Gal Gadot) e Batman (Ben Affleck): Dupla funciona com sintonia e é um dos acertos do filme

O maior mérito de Liga da Justiça está na sintonia entre seus integrantes em cena, seja durante as batalhas ou até mesmo em uma reunião séria. A química entre o grupo funciona, passando a credibilidade de um time e aumentando a vontade de ver a equipe em ação novamente. Mulher-Maravilha e Batman são um exemplo dessa química em vários momentos, assim como o Flash, Ciborgue e Aquaman.  O maior deslize é sem dúvida o Lobo da Estepe (Ciarán Hinds), que é resumido a uma junção de estereótipos previsíveis de um vilão e está na trama apenas para juntar o grupo, sem representar uma verdadeira ameaça aos heróis. Outro ponto fraco e urgente, está no próprio CGI às vezes apressado do filme, muito ainda pelo vilão que mais parece uma bola de borracha e por umas cenas ou outras que tiram o impacto pela artificialidade. Sim, o disfarce para o bigode de Henry Cavill se encaixa nesse quesito e é algo que a Warner precisa rever para os próximos filmes.

Liga da Justiça bota nos trilhos o que seria o seu universo compartilhado no cinema e por hora estabelece o tom a ser adotado para a DC no cinema. É um filme de aventura descompromissado e leve, sem o aprofundamento existencial e sombrio mostrado anteriormente. Ao mesmo tempo é um filme com passagem rápida, deixando a impressão de que poderia ser mais do que é, ainda devendo algo memorável. Liga da Justiça traz muitos acertos, algumas arestas a serem niveladas e outros detalhes a serem trocados. Fica um pouco de segurança de que a DC ainda pode ter filmes dignos de seus ícones daqui para frente e mostra que talvez a era de ouro dos super-heróis não tenha acabado. 

Liga da Justiça está em cartaz em todos os cinemas do Brasil.

DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise South Park: A Fenda que Abunda Força

    A polêmica continuação de “The Stick of Truth” traz diversas melhorias em gameplay, um combate mais evoluído e divertido, mas uma história menos desenvolvida, confira nossa análise de “A Fenda que Abunda Força”, o novo South Park.

  • Análise Assassin’s Creed Origins

    Depois de 10 anos de uma das mais relevantes franquias da indústria de jogos AAA, Assassins’s Creed deu claros sinais de necessitava de uma reformulação. Será que a Ubisoft conseguiu repetir o sucesso de Assassin’s Creed 2?

  • wolfenstein_II

    Análise Wolfenstein II: The New Colossus

    A ameaça nazista nunca dorme, mas o nosso herói “Terror Billy” também não, e ele está de volta mais uma vez mandando bala com suas armas e trajes futuristas em Wolfenstein II: The New Colossus.

  • Análise The Evil Within 2

    Melhorando o que não funcionou bem no primeiro jogo e fazendo bom uso da experiência de Shinji Mikami, The Evil Within 2 é uma boa dose de terror e sobrevivência.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS