Conversa de Sofá

Por Diego Matias em 07/06/2017

Análise Mario Kart 8 Deluxe

Mesmo em seu início de vida, o Switch tem bons títulos que justificam sua compra, Mario Kart 8 Deluxe é um deles, confira nossa análise desse famigerado jogo de corrida.

Mario Kart 8 Deluxe é o remaster pra Nintendo Switch do Mario Kart 8, original do Wii U, um jogo elogiadíssimo e considerado um dos melhores da franquia.

Essa nova edição traz o pacote completo pra você jogar no console híbrido da Nintendo. Todos os personagens extras e os torneios obtidos via DLCs da versão do Wii U já estão desbloqueados exceto alguns itens de customização obtidos conforme coletamos moedas durante as corridas. Antes de cada prova,  você pode escolher o modelo do seu veículo, o tipo de pneu e qual asa irá usar nos trechos aéreos e como cada item possui atributos próprios, essa é a primeira escolha estratégica a ser feita e pode ser bem difícil escolher entre ter velocidade final ou melhor controle na pista, por exemplo. Seja como for, todas a combinações dos carrinhos e motos são muito bonitas e carismáticas.

Aliás, quase todas as decisões artísticas em Mario Kart 8 Deluxe são impecáveis. São 42 personagens apresentados numa tela surpreendentemente simples visualmente e 48 pistas lindas pra encher os olhos jogando sozinho ou em tela dividida.  Aqui vale informar que os detalhes da pista vão diminuindo conforme a tela vai se dividindo para acomodar até 4 jogadores simultâneos, então você só terá o jogo rodando com todos os detalhes e efeitos se estiver jogando com a TV ou o Switch só pra você.

48 pistas! QUARENTA E OITO!

A campanha principal acontece por meio de Copas (Cups) a serem vencidas. São 12 copas disponíveis desde o início com dificuldade crescente. Cada copa tem 4 pistas temáticas que duram 3 voltas em média e algumas pistas curtas chegam a ter 7 voltas enquanto outras irregulares funcionam como uma corrida do ponto A ao ponto B. Todos os circuitos são criativos e a maioria possui trechos verticais em que entram em cena os pneus gravitacionais e até  os circuitos mais simples se tornam frenéticos com todo mundo correndo próximo e atacando uns aos outros numa batalha maluca pelo 1º lugar. Nessa disputa, permanecer em primeiro é um feito difícil principalmente por causa dos itens que atacam coletivamente: o Raio, o Blooper (um polvo com ataque de tinta) e ele, o odiado por todos: o casco azul.

Eu joguei todas as copas em modo cooperativo, no nível 100cc e infelizmente existe um pequeno desequilíbrio na campanha do jogo que lembra o que acontecia em Biker Mice From Mars (beijo, Konami): se você estiver em primeiro colocado, não  irá receber itens ofensivos, apenas moedas, exceto caso já possua esse item em um dos espaços (a versão do Switch permite segurar até 2 itens). Ao mesmo tempo que isso evita que o primeiro colocado seja invencível, torna parte da competição frustrante pois quem está na frente será alvo do casco azul em toda corrida. E ele virá pelo menos uma vez a cada prova. Mesmo que seja possível se defender dele (depende de um item), essa arma é um agente do caos por definição e pode mudar tudo na corrida.

Drive my Car

Embora possua uma certa profundidade e técnicas a serem dominadas, não dá pra dizer que a série Mario Kart é complexa. Os comandos são bem simples e o jogo da Nintendo é absolutamente acessível a qualquer idade, tendo inclusive algumas opções como auto-aceleração e controle de curvas, que mantém o jogador dentro da pista. Um problema com essas opções é que elas estão ativadas por padrão e não há texto no menu em que são selecionadas, apenas alguns ícones que simbolizam esses recursos mais a possibilidade de usar o giroscópio dos controles pra fazer as curvas e ligar/desligar o mapa da pista na tela.

Ícones a serem desvendados

Essa falta de documentação/instruções é uma das poucas falhas num produto tão bem acabado. Não existe sequer um manual digital pra versão lançada no Nintendo Switch e embora o jogo possua um menu que ensina algumas técnicas de direção, é uma pena não haver nada mais completo. Outro ponto negativo é a falta de opções de customização. O remapeamento dos botões seria ótimo pra melhorar a experiência ao jogar com os Joycon separados mas essa possibilidade simplesmente não existe. Exceto por aquelas 4 opções mencionadas, Mario Kart 8 Deluxe é um pacote fechado.  Não é possível remapear o controle ou aumentar/diminuir o volume dos efeitos sonoros.

Quer ouvir melhor a música das pistas e diminuir as vozes dos personagens? Que tal removê-la por completo e ouvir apenas os carros? Sinto muito, a Nintendo não deixa. E aproveitando pra falar sobre o que a Nintendo não permite, vale lembrar que a empresa retirou sua marca do Brasil (mas parece estar voltando aos poucos), e além de não existir loja online nacional, não é possível jogar partidas online se o seu perfil estiver designado como Brasileiro. A parte boa é que é possível trocar o país da sua conta a qualquer momento no site da Nintendo ou no próprio Nintendo Switch.

Uma coisa que também poderia ser melhor é a lista de corredores que perde a chance de privilegiar nomes mais famosos da Nintendo, a exemplo da série Smash Bros. Samus por exemplo, seria muito bem vinda pra correr junto de Link e Donkey Kong. Diddy Kong, Dixie, Kirby, e a própria princesa Zelda também seriam adições excelentes no lugar de alguns personagens secundários do universo Mario & Luigi. Tomara que isso aconteça no próximo título.

Pra jogar online, seu perfil não pode ser brasileiro

I’ll be There for You

Passados os ~defeitos~, MK8D é uma delícia no Nintendo Switch. Passei minha primeira hora com o console jogando com minha esposa e meu cunhado em tela dividida, algo só possível graças à flexibilidade do jogo e do console. Uma vez que todo Nintendo Switch vendido possui um par de Joycons, é possível jogar com um amigo logo de cara. Adicione um pro-controller e é possível jogar com 3 corredores e se no lugar do controle pro você possuir outro par se Joycons, jogam 4 pessoas em tela dividida. Além da campanha, há um modo versus em que é possível arranjar a sequência das pistas de várias maneiras sendo possível, por exemplo, jogar pelas 48 pistas em sequência, num grande torneio ininterrupto!

O Switch também permite 2 jogadores simultâneos, com tela dividida ao meio (vertical) nas partidas online. Tudo isso e mais a possibilidade de levar o seu console pra jogar onde quiser e sincronizar até 8 amigos com seus respectivos consoles tornam a experiência incrível!

Que delícia, caraaaaaa

Highway Star

Aproveito o review pra deixar uma dica pra você: compre digital. O cartucho está custando os olhos da cara aqui no Brasil e mesmo em dólares o preço está mais baixo na compra pela loja digital – não se esqueça, o Switch não tem restrição de região. “Ah, mas tão bonita a caixinha”, confie em mim, ela não tem nada dentro além do cartucho de gosto ruim.

Não tem podium :'(

Pessoalmente, eu gosto mais de Mario Kart do que do próprio Mario. Sou fã desde o original e apesar da versão Deluxe não ser um título inédito, ele é obrigatório pra quem gosta da série e a menos que você deteste o gênero, obrigatório pra quem tem um Nintendo Switch e quer tirar férias de Zelda: Breath of The Wild. As opções de portabilidade, cooperação local e online, customização dos carros e a própria natureza da série Mario Kart fazem dele uma escolha da qual é impossível se arrepender. Vá sem medo!

Let's rock and ride!
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise Crashlands (Nintendo Switch)

    Originalmente lançado para celulares e posteriormente para PC, a versão de Switch desse RPG de ação em tempo real foi desenvolvida para ser controlado em telas de toque e com controle convencional. O que é perfeito para o console híbrido da Nintendo.

  • Análise H1Z1 (PlayStation 4)

    Na recente tendência dos jogos Battle Royale, H1Z1 estreia no Playstation 4 com a pretensão ambiciosa de bater de frente com Fortnite, o gigantesco sucesso da Epic Games.

  • Análise Bloodstained: Curse of The Moon

    Inti Creates teve a tarefa de entregar a prévia do Bloodstained Ritual of The Night e criou um perfeito sucessor do Castlevania original de 1986.

  • Capa principal do God of War 2018

    Análise God of War

    A franquia de hack ‘n’ slash com temática mitológica é reinventada para a geração do PlayStation 4 com jogabilidade e narrativa primorosa.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS