Conversa de Sofá

Por Flávio Ricardo em 05/01/2017

Análise Nabu Watch

Com design esportivo e funcionalidades simples porém sólidas, Nabu Watch é o relógio inteligente da Razer que não se vende como um relógio inteligente mas agrega ao dia a dia do usuário com recursos focados em redes sociais e fitness.

Nunca me interessei muito pelo mercado de wearables, por mais que nos filmes tudo pareça mil maravilhas e um avanço natural em termos de tecnologia, na prática, esses dispositivos tem chegado ao mercado fazendo pouco e custando muito (o fator custo aplica-se especialmente ao Brasil).

Um segmento que aos poucos vem sendo mais bem aceito pelos usuários é o de smartwatches, apresentados comercialmente pela primeira vez no começo de 2013.

O grande questionamento que cerca os “relógios inteligentes” é justamente as funcionalidades que os tornam de fato inteligentes, já que a grande parte deles acaba por não fazer muito além de retransmitir as notificações recebidas pelo usuário em seu celular.

O Nabu Watch é mais honesto nesse sentido, a Razer não vende o produto como um relógio inteligente, mas sim como um acessório voltado a um público mais específico, que procura um produto com design mais esportivo e já consome os produtos da marca.

Com pulseira e corpo emborrachados, o Nabu Watch é resistente à água, suportando uma profundidade de até 5 metros, é possível dar um mergulho rápido com o relógio ou sair na chuva com ele, com cuidado é claro, também é possível tomar banho ou manusear água por alguns minutos usando o relógio.

Quem vê o produto no pulso de outra pessoa e desconhece de suas funções inteligentes, enxerga um relógio comum com “ponteiro” digital, cronometro e função alarme. Essas e outras funcionalidades como marcador de dia da semana, contagem regressiva e marcador de horário de outras localidades funcionam independente de sua sincronização com o aplicativo de celular do Nabu.

É claro, pensando dessa forma existem inúmeros relógios de outras marcas e modelos a um custo bem mais acessível, a compra de um Nabu Watch sem a pretensão de usar dos seus recursos mais avançados é válida para aqueles que buscam a qualidade dos produtos da Razer.

A brincadeira de gente grande começa mesmo quando você conecta o Nabu Watch ao seu celular pela primeira vez. A conexão é simples e existe apenas estar com o bluetooth do celular ligado e com o aplicativo da Razer instalado, disponível na AppStore ou na Google Play, gratuito em ambas as lojas.

Através do aplicativo é possível configurar o Nabu Watch em seus mínimos detalhes, desde configurações simples como o formato da hora e fuso-horário, como também tempo de exibição e intensidade da vibração das notificações, até atualização de firmware ou colocar o relógio em modo de repouso.

Um dos grandes chamativos do Nabu é sua integração com um vasto número de aplicativos do seu celular, sejam os nativos como aqueles instalados pelo usuário. Mensagens de texto SMS, alertas de chamadas recebidas e/ou perdidas e alertas de agenda vão disparar uma uma notificação no seu relógio com uma prévia da mensagem.

No começo tal funcionalidade me encantou, mas após algumas semanas de uso comecei a notar o quão supérflua ela era. É legal receber uma prévia das notificações no relógio, mas a limitação no tamanho da mensagem e o fato de não conseguirmos respondê-la ali mesmo frustra um pouco.

Além de mostrar as notificações de recursos e aplicativos nativos do celular, o relógio tem integração com a maioria dos aplicativos de comunicação do mercado como WhatsApp, Facebook, Twitter, Instagram entre outros. A integração funciona para notificações de mensagens, curtidas, comentários e menções, o relógio irá informar a origem da notificação (o aplicativo), e uma prévia ou descrição da mesma.

Para o Instagram ou mensagens curtas no WhatsApp o recurso funciona bem, mas para casos mais específicos a frustração é a mesma citada anteriormente, o recurso acaba sendo um pouco limitado.

Não sei ao certo quantos e quais são os aplicativos que se integram com o Nabu Watch, no site do relógio, são listados alguns, entre eles o Google Fit e outros relacionados a saúde e fitness, mas na prática outros além dessa lista se provaram funcionar. Da mesma forma que muitos ainda não funcionam, é possível que futuras firmwares aumentem os recursos e integração do produto.

Voltando para as funcionalidades nativas do Nabu, que funcionam independente da integração com aplicativos de terceiros, o relógio da Razer funciona como um monitor de atividades, um “personal trainer” de pulso. Sempre que você o estiver utilizando, ele irá registrar o número de passos e quilometragem percorrida durante o dia.

Existem também um registro de calorias gastas e tempo em atividade. Para todas essas métricas, é possível estipular metas e ser avisado de quando as alcançar através de uma notificação no relógio. O Nabu Watch funciona também durante o seu sono, monitorando quantas horas você dormiu naquele dia, inquietações durante o sono e sono profundo.

Aqui existem porém um pequeno problema, já que o Nabu é um relógio com design mais esportivo e seu tamanho é considerável, não sendo lá tão confortável dormir com ele no seu pulso. A funcionalidade no entanto é interessante, tive boas surpresas após analisar o meu sono durante algumas semanas.

Todas essas informações são mais fácil visualizadas através do aplicativo do Nabu no seu celular, as métricas do sono por exemplo são mostradas através de gráficos, o que é bem prático e intuitivo. Os mais ansiosos podem acompanhar seu progresso diário através da tela do próprio relógio, podem inclusive configurar para receber uma notificação de hora em hora para não esquecer.

Para os mais assíduos, usar tais informações aliadas a algum aplicativo focado em saúde se torna um recurso essencial, e que não exige esforço maior do usuário, já que este precisa apenas estar usando o Nabu Watch.

Até agora vimos que, a proposta do Nabu Watch está mais para um monitor pessoal do que um relógio inteligente, o problema é que dada a competição e a ascensão de tais dispositivos, a ideia parece não vender bem. Uma funcionalidade interessante do relógio, que corre por fora mas que me tem sido bastante útil, é a função controle remoto. Com ela é possível configurar uma ação pré-determinada e através dela iniciar/pausar a música do seu celular ou por exemplo trocar de faixa, o sinal é enviado ao celular via bluetooth e se integra com todos os players de música.

Quem é fã dos produtos da Razer talvez se sinta tentado a comprar o Nabu Watch, lá fora o produto tem um preço razoável, custando na faixa de US$ 130 dólares, nada muito fora da realidade do mercado de quem recebe na moeda, o problema é a conversão, o “custo Brasil”, o produto aqui é encontrado na faixa dos R$ 1.000 reais, bastante acima dos seus “concorrentes”.

Talvez por ser um produto da Razer, especialista em periféricos voltados para o público gamer, no futuro o dispositivo se integre com jogos mobile, seria bastante interessante receber alertas de Pokémon próximos em Pokémon Go, ou saber quando as suas moedas do Candy Crush forem recarregadas.

Outra vantagem seria quem sabe desbloquear itens e vantagens exclusivas em determinados jogos para os jogadores que fizerem o uso do Nabu Watch durante o dia após alcançar determinadas metas. Tais integrações é claro, aumentariam muito o potencial do relógio, mas ainda não poderíamos afirmar que justificaria o valor do mesmo.

No geral o Nabu Watch é um relógio bonito e despojado, para usuários que buscam um produto com a qualidade Razer e não veem necessidade em ter um dispositivo com recursos muito avançados mas sim uma forma de acompanhar sua vida mobile de forma mais sutil.

É um sul-mato-grossense de 20 e poucos anos, que começou no mundo dos games jogando Master System e Mega Drive, quando então conheceu o melhor console já criado neste mundo: o Super Nintendo. Já foi dono dos "clássicos" PSOne e PS2 e hoje passa horas disputando partidas online de Gears of War 3 no Xbox 360.
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise Blazerush

    Com elementos que lembram os clássicos da época do SNES, Blazerush é um jogo de corrida com câmera isométrica lançado em 2011 no PlayStation 3.

  • Análise Resident Evil 7 – Biohazard

    Série retorna com jogo que tenta buscar o terror dos primeiros jogos mudando totalmente a mecânica de jogo em relação a seus antecessores e trazendo história mais sombria, confira nossa análise de Resident Evil 7.

  • Análise do jogo Siegecraft Commander

    Análise Siegecraft Commander

    Confira a análise da versão PC do jogo Siegecraft Commander e descubra este novo jogo de RTS lançado em 2017 que fará suas horas vagas serem preenchidas com batalhas épicas.

  • Análise Watch Dogs 2

    Após os conturbados lançamentos do primeiro Watch Dogs e Assassin’s Creed Unity, a Ubisoft acalmou os ânimos, reavaliou sua estratégia de lançamentos e reorganizou o time em campo. Mesmo com as desconfianças, a desenvolvedora francesa superou todas as expectativas com Watch Dogs 2. Confira a análise.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS