Análise Thief (2014)

Nessa análise do jogo Thief (2014), você saberá qual é a sensação de jogá-lo sem spoilers que estragam o final, se você nunca jogou, irá pensar duas vezes após ler este texto.

Análise do jogo Thief 2014

Confira no texto abaixo uma análise do reboot do jogo Thief lançado em 2014, ele é o quarto jogo da série e conta uma história diferente do original lançado nos anos 90.

Em Thief você joga em primeira pessoa e tem um mundo medieval para explorar e roubar. O visual do jogo em geral é bem obscuro e com gráficos nítidos, mais do que a aparência, Thief é um jogo que se destaca pela sonoridade.

No silêncio da noite, cada pisada em uma poça de água ou em cacos de vidro podem chamar a atenção que você não gostaria de chamar, o início do jogo já é cheio de ação junto com o tutorial introdutório que vem junto com a história, nele você aprende como funciona a dinâmica do ambiente, como o fato dos animais fazerem barulho quando um estranho se aproxima, porém no início você provavelmente irá sentir a necessidade de olhar constantemente nas opções do jogo para saber movimentos básicos do seu personagem que não são revelados ou quando revelados já são esquecidos facilmente.

Thief 2014 ambientes escuros

O personagem principal, Garrett, busca por respostas praticamente o jogo inteiro e talvez nem todas elas sejam explicadas, sendo um jogo de mundo aberto, há diversas missões opcionais à história principal para serem realizadas, algumas com temas variados e personagens e situações muito divertidas.

Um exemplo de história alternativa muito engraçada, foi quando Garrett seguiu um bêbado para saber onde é o esconderijo de seu grupo, no caminho ele parava para conversar e você tinha que fazer algo para que ele continuasse sem se distrair, entre as estratégias para evitar a conversa fiada, Garrett ativou uma armadilha para jogar uma moça na água, o bêbado não notou o que aconteceu e continuou o caminho.

O interessante é que você tem a liberdade para escolher como irá jogar, você pode ser mais furtivo, aliás o jogo é recomendado para ser jogado assim, mas você também pode agir de forma mais agressiva, escolhendo esse caminho vai exigir que você gaste mais ouro e melhore suas habilidades para combate e defesa que originalmente não é o forte do personagem.

Garrett em modo furtivo Thief 2014

Em Thief nem sempre há somente uma entrada ou forma de atingir um objetivo. E quando você pensa que as missões e histórias estão repetitivas demais, você é obrigado a vasculhar um sanatório abandonado e é nesse momento que os efeitos sonoros brilham no jogo, diferente das outras missões, você está isolado, você não precisa se esconder de ninguém, mas algo está errado e o som daquele lugar lhe dá pistas disso, quando você acha que está seguro, algo não humano aparece e mesmo sabendo que você está sozinho no prédio, você anda com desconfiança e medo.

Um momento muito perturbador na parte do sanatório é quando Garrett abre as celas de pacientes através de seu sistema de trava automático, o som transmitido dela é aterrorizante, uma a uma as portas vão se abrindo e você sabe que dentro delas há algo e o som vai ficando cada vez mais alto quando as portas perto de você começam a abrir.

Garrett acionando as portas do manicômio

De maneira geral o jogo se adequa para vários tipos de jogadores, aqueles que querem algo mais fácil podem jogar no modo fácil e fazer somente o necessário para completar a história, para aqueles que gostam de desafios, Thief é o jogo perfeito, a cada fase você é premiado com ouro por realizar certas tarefas e todas elas podem ser feitas de forma diferente, no final delas é mostrado o seu estilo, se você escolheu passar despercebido, se escolheu usar o ambiente ao seu favor ou partir para o ataque direto.

Apesar de ter uma opção mais fácil, Thief é um jogo que exige exploração de ambiente, você muita das vezes ficará vários minutos tentando chegar a um lugar ou alcançar um objetivo por não saber onde ir, analisar os detalhes do ambiente é muito importante nesse jogo que exige uma certa quantidade de paciência neste aspecto.

Durante o jogo você pode ir a determinados lugares da cidade e escolher refazer missões anteriormente passadas, o mesmo pode ser feito após zerar o jogo quando você já terá completado todas missões da história.

Thief 2014 replay de capítulos

Às vezes é interessante salvar o jogo manualmente, principalmente antes de entrar em situações claramente perigosas, Thief conta com um sistema de salvamento automático, mas nem sempre ele salva quando você gostaria e minutos importantes são perdidos quando você percebe que tem de jogar novamente por ter morrido.

Jogar Thief foi uma ótima experiência, a movimentação do personagem é muito bem-feita e responsiva, a história é cercada de mistérios, a variedade de opções ao alcance do seu personagem é muito boa, desde os equipamentos de distração até mesmo ao desarmamento de armadilhas e arrombamentos de portas, o som do jogo é marcante e tudo isso faz dele um jogo imperdível, daqueles que você irá querer jogar mesmo depois de tê-lo completado.

Essa análise de Thief foi realizada com a versão da Steam (PC).

Desde pequena sempre jogou videogame, adora uma boa história, assiste incontáveis animes e seriados, aceita jogar todos estilos de jogos e gosta muito de ler e escrever.