Conversa de Sofá

Por Flávio Ricardo em 26/10/2015

Análise Zombi

Nem só de Assassin’s Creed vive a Ubisoft! A gigante dos jogos de mundo aberto remasterizou e lançou Zombi, sucesso antes no Wii U para PC, PS4 e Xbox One e nós jogamos para provar como ficou a nova versão.

  • Plataforma: PC / PlayStation 4 / Xbx One
  • Lançamento: 18 de agosto de 2015
  • Desenvolvedor: Ubisoft Montpellier
  • Distribuidor: Ubisoft

Sempre gostei de jogos de zumbi, desde que fosse eu quem ditasse o ritmo do jogo e não o contrário. Para deixar mais claro, contra tudo e contra todos, gosto muito de Resident Evil 5 por exemplo, o ritmo do jogo é cadenciado fazendo com que eu sinto susto na hora certa mas acima de tudo mantenha o controle da situação.

Outro jogo que me sugou por muitas e muitas horas foi Left 4 Dead e sua sequência, ambos dispensam apresentações, basta juntar-se a mais três amigos e sobreviver as várias ondas de zumbis que te atacam.

Em Zombi, a coisa é bem diferente. Situado numa Londres pós-apocalíptica, o jogo te coloca no papel de um sobrevivente que seguindo as ordens de um homem conhecido como o Estrategista, precisa encontrar recursos e não deixar ser pego pelos zumbis.

Ao contrário da maioria dos jogos de zumbi onde com certa facilidade encontramos recursos e munição a todo momento, em Zombi nosso maior (e quase que único) aliado é um bastão de críquete.

Tenha sempre seu amigo bastão de críquete na mão

Tenha sempre seu amigo bastão de críquete na mão

Conseguimos o objeto logo no início da jornada, até esse momento o jogo funciona quase que como um tutorial, te colocando num ambiente fechado onde é possível enxergar os zumbis mesmo de longe e sem a necessidade da lanterna, vamos explorando o local, aprendendo a passar por cima e por baixo de alguns obstáculos, correr ou se esconder no momento certo e por fim, encontrar o sobrevivente anterior a nós e pegar o bastão e sua mochila.

Nesse momento também aprendemos algo importante sobre a mecânica do jogo. Quando morremos, diferente da maioria dos jogos, não voltamos ao último checkpoint como de costume. Morreu, morreu.

Lembra do sobrevivente anterior de quem pegamos a mochila e o bastão? Pois é, sempre que morremos, caso seja por mordida de zumbi, nos tornamos um deles e passamos a vagar pelo local carregando a mochila, um novo sobrevivente nos é atribuído e de certa forma a jornada recomeça.

Hello darkness my old friend

Hello darkness my old friend

Basicamente, é assim que todo o jogo se desenvolve até que cheguemos ao final. A maioria dos recursos que encontramos é essencial para a sobrevivência, por isso é importante saber poupar e não perder vida de bobeira.

Kits médicos, salgadinhos e refrigerantes regeneram a nossa barra de vida, mas é importante também dormir para não começar a perder os sentidos, além é claro de ser a única forma de “salvar o jogo”, não que isso vá adiantar muita coisa caso você morra.

Para os jogadores mais hardcore existe ainda um modo de dificuldade onde caso você morra o jogo literalmente começa de novo, não sendo possível nem encontrar o seu personagem antigo vagando no cenário. Algo encarado por poucos é claro.

Agora nos consoles da nova geração e no PC, Zombi que antes era exclusivo de Wii U sofreu algumas alterações. Os gráficos sofreram leves melhorias e o jogo agora está em resolução 1080p, algo bastante valorizado principalmente por aqueles que esperam que agora com a nova geração, os jogos rodem em seu potencial máximo.

Você encontra um zumbi na sua frente: atirar ou não atirar?

Você encontra um zumbi na sua frente: atirar ou não atirar?

Além disso, novas armas foram adicionadas, tornando o arsenal de Zombi mais versátil. Durante o meu jogo encontrei machados, uma metralhadora, uma escopeta, pistolas automáticas entre outras.

Mas não se engane, armas de fogo apesar de eficazes fazem bastante barulho e isso atrai a atenção de mais zumbis para a área onde você se encontra. As vezes é melhor você tentar avançar em uma determinada área fazendo o mínimo de barulho para não ter problemas com uma quantidade de zumbis que você não dê conta de matar depois.

Não bastasse a quantidade ser um problema, existem alguns zumbis com habilidades específicas e imunidade à algumas armas. Nesse caso você deve procurar uma maneira alternativa para matá-los ou simplesmente o melhor caminho de fuga.

Além de curtir uns rock'n roll, esse zumbi dá choque

Além de curtir uns rock’n roll, esse zumbi dá choque

Perto do final, você começa a perceber que Zombi é na verdade mais um jogo sobre como sobreviver a um ambiente hostil do que de fato um jogo de zumbis, eles estão ali é claro para dar contexto a história e tornar o seu caminho mais difícil.

Mas a real dificuldade e aprendizado se dá no gerenciamento de recursos e crises, como passar por determinados lugares sem ser detectado ou com o mínimo de efeitos colaterais. Zombi é o jogo perfeito para aqueles que ou gostam de um bom desafio ou são amantes de jogos de zumbi.

O ponto negativo fica pela ausência do modo multiplayer nessa nova versão. O jogo está disponível em versão digital pelo valor de R$ 39.90, preço bastante chamativo pelas horas de diversão que ele proporciona.

Zombi foi lançado no PC, PlayStation 4 e Xbox One. Análise feita a partir de uma cópia da versão PC cedida pela assessoria de imprensa da Ubisoft Brasil.

É um sul-mato-grossense de 20 e poucos anos, que começou no mundo dos games jogando Master System e Mega Drive, quando então conheceu o melhor console já criado neste mundo: o Super Nintendo. Já foi dono dos "clássicos" PSOne e PS2 e hoje passa horas disputando partidas online de Gears of War 3 no Xbox 360.
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise Playerunknown’s Battlegrounds (PlayStation 4)

    O jogo que popularizou o gênero Battle Royale finalmente foi lançado no console da Sony para a alegria dos jogadores da plataforma PlayStation (e da Bluehole, que agora atinge a maior base instalada dessa geração). A criança prodígio do Brendan Greene chegou a tempo ou tarde demais?

  • Análise Crashlands (Nintendo Switch)

    Originalmente lançado para celulares e posteriormente para PC, a versão de Switch desse RPG de ação em tempo real foi desenvolvida para ser controlado em telas de toque e com controle convencional. O que é perfeito para o console híbrido da Nintendo.

  • Análise H1Z1 (PlayStation 4)

    Na recente tendência dos jogos Battle Royale, H1Z1 estreia no Playstation 4 com a pretensão ambiciosa de bater de frente com Fortnite, o gigantesco sucesso da Epic Games.

  • Análise Bloodstained: Curse of The Moon

    Inti Creates teve a tarefa de entregar a prévia do Bloodstained Ritual of The Night e criou um perfeito sucessor do Castlevania original de 1986.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS