Jogamos na BGS: caçando monstros em Monster Hunter: World

Testamos a nova versão de Monster Hunter, que leva a caçada de monstros a um novo nível com cenários incríveis e promete um multiplayer divertidíssimo.

Tive a oportunidade de jogar Monster Hunter: World na BGS de 2017, e já adianto que foi uma das melhores experiências que tive durante toda a feira!

Faz 13 anos que tive o meu primeiro contato com a franquia Monster Hunter. Ainda no, agora antigo, PS2, passei diversas horas caçando e derrotando uma grande variedade de Monstros, e depois utilizando seus pedaços para criar novas armas e armaduras. Infelizmente não acompanhei os jogos seguintes da franquia, por não ter os consoles para os quais foram lançados (Wii, Wii U e 3DS), mas agora com o retorno para os consoles da Sony e Microsoft, e a primeira aparição nos PCs, com certeza voltarei a passar inúmeras horas caçando Monstros.

A jogabilidade ainda conta com a mesma base das versões antigas do jogo, mas com o refinamento que as novas tecnologias proporcionam, sendo mais fluída e intuitiva. Ainda contamos com uma variedade enorme de armas, tendo cada uma delas seu próprio estilo de combate, fazendo com que sua escolha de armas vá muito além do dano que elas podem dar, é muito mais vantajoso escolher uma arma com a qual você se sinta confortável ao batalhar. O Monstro que você deverá caçar também influência nessa escolha, pois contam com habilidades, características e ambientes únicos, transformando a experiência em algo único dependendo da escolha de armamento para a batalha.

Nos jogos anteriores da franquia, tínhamos um HUB onde escolhíamos nossas missões e nossos equipamentos, então éramos levados a ambientes que continham pequenas regiões interligadas por telas de loading entre elas, em Monster Hunter: World, esse não é mais o caso. Ainda temos o HUB que nos leva as regiões de caça, mas agora não temos mais loading dentro destas regiões, tornando as caçadas mais fluídas e divertidas. Isso também trouxe uma nova feature para o jogo, as “Scoutflies” que auxiliam na busca de pistas sobre o paradeiro do Monstro, como pegadas e marcas deixadas no ambiente. Quanto mais pistas forem encontradas, mais precisas serão as informações de onde encontrar o Monstro que procura.

Infelizmente não consegui testar o modo cooperativo do jogo, mas consegui assistir a 3 colegas o experienciando, e posso dizer que este será o melhor jeito de jogar. As caçadas se tornam muito mais interessantes, e proporcionam a criação de diversas estratégias para enfrentar o mesmo monstro que no modo singleplayer. Por exemplo, na caçada de meus colegas, um utilizava arco e flecha, outro uma espada curta e algumas armadilhas e o último usava uma espada grande. A estratégia consistia em plantar armadilhas, atrair o monstro para elas com o arco, e quando ele caísse nelas, dar a maior quantidade de dano possível com a espada grande. Além dessa, o arsenal de armas do jogo proporcionará outras diversas estratégias para as caçadas.

Monster Hunter: World será lançado para PlayStation 4 e Xbox One em 26 de janeiro de 2018. Sairá também uma versão de PC que ainda não conta com uma data de lançamento.

Jogo muito FIFA e sempre olho o lado positivo da morte.