Jogamos na BGS: recarregue seu Ki com Dragon Ball FighterZ

Colocamos à prova esse que promete ser o jogo definitivo de Dragon Ball, confira nossas impressões de Dragon Ball FighterZ disponível para ser jogado durante a Brasil Game Show de 2017.

Um dos jogos de lutas mais aguardados para 2018, Dragon Ball FighterZ estava disponível para ser testado durante a Brasil Game Show desse ano no estande da PlayStation.

Na versão jogável no evento estavam disponíveis os seguintes personagens: Goku, Gohan, Vegeta, Trunks, Cell, Majin Boo, Freeza, Andróides 16, 17 e 18, Kuririn e Piccolo; alguns deles já estavam em suas formas “transformadas” como Goku, Vegeta e Trunks na Super Saiyajin 1 e Gohan na Super Saiyajin 2.

Durante os jogos houveram algumas transformações, Freeza tornando-se Golden Freeza e Goku se transformando em Super Saiyajin 3. Elas ocorrem por conta de especiais dados pelos personagens, no caso de Freeza, ele recebe um upgrade temporário em suas forças e habilidades, e no caso do Goku, é utilizada para desferir um combo de golpes que termina em um devastador Kamehameha.

O game segue a fórmula já conhecida em jogos como Guilty Gear e Guilty Gear Xdr, da mesma desenvolvedora, a Arc System Works. As batalhas são intensas e cheias de golpes e habilidades especiais sendo usadas a todo momento.

O game introduz o mundo de Dragon Ball Z em um clássico jogo de luta 2D, com gráficos estilizados para terem maior semelhança com o anime. O game ainda conta com cenário muito bonitos e fiéis ao anime que apresentam mudanças influenciadas pelo combate, por exemplo, em um dos golpes especiais do Goku, ele destrói tudo ao redor transformando completamente o ambiente.

O combate funciona em lutas de 3 contra 3 em batalhas rápidas, cada personagem além de poder ser utilizado diretamente na batalha, ainda pode ser usado como suporte enquanto outro personagem está em combate.

Sobre os combos, mesmo que a pessoa não saiba executá-los, aquela famosa tática de apertar tudo, funciona no game.

Dragon Ball FighterZ terá legendas em português do Brasil mas não contará com a tão pedida dublagem brasileira, devido à proximidade do lançamento do jogo.

Viciado em Devil May Cry, Resident Evil e Yu-Gi-Oh!. Twitter: @eltoncalegari