Conversa de Sofá

Por Diego Matias em 08/12/2016

Os melhores cavalos dos vídeo games

Listamos os melhores cavalos que já deram a graça de serem montados nos vídeo games, então prepare a sua cela e sinta os prazeres de uma amizade galopante.

Cachorro Cavalo: o melhor amigo do homem.

De Sunset Riders a Metal Gear Solid V (RIP Konami), pudemos contar com a companhia e o auxílio deles nos nossos jogos preferidos. Animais carismáticos e sem os quais nossa jornada jamais seria completada.

Ajeite sua cela, segure firme no seu mouse (ou celular), e vamos começar essa lista veterinária dos melhores equinos dos jogos eletrônicos!

Entra a vinheta tocando aí na sua cabeça.

Battlefield 1 (Desconhecido)

A oitava geração de consoles representa o ápice da construção de equinos em píxel. Battlefield 1 – BF1 pros chegados — é um primor visual e um sucesso de crítica pela acertada renovação na série. Mas o jogo alcança o ápice quando você monta no animal digital, troca a visão pra 3ª pessoa e galopa pelos campos em guerra cortando cabeças. War. It’s fantastic.

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain (D-Horse)

Diamond Horse é o fiel companheiro que nos leva pelo Afeganistão e pelo Norte da África no último título da Série Metal Gear Solid. Junto com os cavalos de BF1, D-Horse é um primor de se controlar e de fato é uma das melhores companhias pra se levar pra uma missão. Basta um assovio e ele vem galopando em nosso auxílio. Basta um comando e ele… bem… ele faz o que todos os cavalos fazem mas só Hideo (Gênio™) Kojima teve a iniciativa de incluir num game AAA. Você pode argumentar que o D-Dog, aquela fofura de filhote é o melhor companheiro, só que não é possível montar e galopar num cachorro não é mesmo?

The Witcher 3 (Carpeado)

A joia da CD Project Red e considerado o RPG para a todos dominar da nova geração de consoles, The Witcher 3 brindou jogadores do mundo todo com um universo crível, belo, rico e enorme. Como viajar por tantos lugares nessa gloriosa obra digital? Com o Carpeado – Roach para os puristas.

Imprevisível, inconveniente, preguiçoso e bugado, a montaria de Geralt de Rívia simplesmente não se importa com o que você espera dele. E isso o tornou uma celebridade. Numa situação em que outros animais seriam odiados, Carpeado conseguiu fãs.

The Last of Us (Desconhecido)

Obra prima. Incrível. Forte. A quantidade de qualidades atribuídas à magum opus da Naughty Dog parece ignorar que em uma parte da jornada usamos os piores cavalos já vistos no PlayStation 3. Resta esperar que a sonhada sequência pra história da Ellie e do Joel trate as montarias com mais cuidado. Ainda assim, um jogo com cavalos é melhor que um jogo sem eles.

Skyrim (Desconhecido, exceto o Shadowmere)

Mais uma grande (vasta, enorme, imensa, praticamente interminável) obra da sétima geração a receber um remake pras plataformas atuais, The Elder Scrolls V – Skyrim, foi um fenômeno e a atenção dada pela Bethesda ao mundo gelado foi algo sem precedentes até o lançamento de GTA V.

Infelizmente as montarias desse amado RPG não receberam tanta atenção assim porque parecem não ter peso. Além disso, quando o cavalo entra em combate junto com o jogador, partem pra cima de ladrões como se fossem o próprio Dragonborn — uma vez que ele se perca de você, não há como chamá-lo. Prepare-se para passear pela floresta procurando seu pé de pano nórdico.

Red Dead Redemption (Desconhecido)

Agora sim, entramos no rol dos melhores cavalos da geração PS3/Xbox 360. Apesar de John Marston não possuir um cavalo com nome, CPF e endereço, o cuidado da Rockstar ao representar as montarias nesse velho oeste de mundo aberto é fundamental pra que a imersão no mundo funcione.

Seu cavalo será sua melhor companhia durante tantas horas de gameplay e nesse jogo ele é tão protagonista quanto John Marston. Aliás, Marston é bem inútil sem uma montaria num deserto cheio de animais predadores.

Gun (Desconhecido)

Esse foi o primeiro western de mundo aberto que eu joguei. Lançado pro PlayStation 2, o game sofreu com a crítica boba de que seria apenas um GTA no velho oeste. Uma pena pra quem não jogou porque essa pequena joia vale cada segundo da história de vingança do protagonista Colton White. O cavalo do jogo não possui nome mas foi certamente uma grande influência pro avanço que veríamos em Red Dead Redemption. Saudades, Ned White.

Shadow of The Colossus (Agro)

Agro, a égua gigante para o tamanho do seu cavaleiro foi um marco. Team ICO percebeu que para o controle do animal ser mais realista o jogador não deve controlá-lo! Bum! Cabeça explodida. Em Shadow of the Colossus controlamos Wander para que ele puxe as rédeas de Agro que responde de maneira errática como uma égua de verdade e com ela conquistamos gigantes! Exceto um. ='(

The Legend of Zelda: Ocarina of Time (Epona)

No planeta Terra, apenas duas criaturas são tão facilmente reconhecíveis não pelo nome, mas por um tema correspondente tocado num instrumento de sopro. Uma é o Dragonzord. O robô gigante do Power Ranger verde, Tony. A outra é Epona, a égua que serve de montaria e companhia para Link no jogo de 1998. Epona foi a montaria definitiva e serviu como um marco a ser atingido pelos próximos jogos de mundo aberto até os dias de hoje. Fica aqui aquele abraço pra Lon Lon Ranch.

E temos uma menção honrosa…

Sunset Riders (Desconhecido)

sunset riders

Ah, as cores do campo! O clássico jogo da Konami se passa num oeste vibrante e as montarias escolhidas pelos nossos heróis coloridos Billy, Steve, Bob e Cormano, não seriam diferentes e talvez essa seja a principal característica desses animais. Presos numa tela 2D, os cavalinhos coloridos sequer podem correr em direção ao pôr do sol mas aceleram e reduzem a velocidade conforme a necessidade e também executam belíssimos saltos!

Vocês sabem que nenhuma lista é capaz de cobrir todos os tópicos e infelizmente eu não posso escrever indefinidamente. Diferente de você, leitor. Sim, você pode comentar e levar a discussão até o infinito com seu feedback. Deixe aqui suas impressões sobre os cavalos que deixei de mencionar.

Let's rock and ride!
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise Playerunknown’s Battlegrounds (Paystation 4)

    O jogo que popularizou o gênero Battle Royale finalmente foi lançado no console da Sony para a alegria dos jogadores da plataforma PlayStation (e da Bluehole, que agora atinge a maior base instalada dessa geração). A criança prodígio do Brendan Greene chegou a tempo ou tarde demais?

  • Análise Crashlands (Nintendo Switch)

    Originalmente lançado para celulares e posteriormente para PC, a versão de Switch desse RPG de ação em tempo real foi desenvolvida para ser controlado em telas de toque e com controle convencional. O que é perfeito para o console híbrido da Nintendo.

  • Análise H1Z1 (PlayStation 4)

    Na recente tendência dos jogos Battle Royale, H1Z1 estreia no Playstation 4 com a pretensão ambiciosa de bater de frente com Fortnite, o gigantesco sucesso da Epic Games.

  • Análise Bloodstained: Curse of The Moon

    Inti Creates teve a tarefa de entregar a prévia do Bloodstained Ritual of The Night e criou um perfeito sucessor do Castlevania original de 1986.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS