Análise Skater XL (PlayStation 4)

Skater XL traz uma complexa simulação do esporte para os videogames, mas derrapa em aspectos técnicos.

Capa do jogo Skater XL

Jogos de esporte são cada vez mais democráticos no universo dos videogames. Do futebol aos esportes radicais na neve, passando pelas corridas, uma grande partes das modalidades esportivas inventadas pelo ser humano encontra espaço no entretenimento virtual. Não poderia ser diferente com o skateboarding (ou só skate), o esporte californiano que saiu da marginalidade e hoje é modalidade olímpica (isto é, se houver Jogos Olímpicos em 2021). E se por um lado os esportes estão aparecendo mais e mais em videogames, o aprofundamento de mecânicas também acompanha a evolução dos jogos, que frequentemente fazem a transição da leveza dos modos “arcade” para a intrincada simulação. Com não é diferente.

Meu, tu não sabe o que aconteceu!

Bom, basicamente o que aconteceu é que skatistas estão livres para praticar o esporte californiano em um pátio de universidade, num dia ensolarado e sem aulas. Isso é tudo que se precisa saber sobre qualquer premissa ou justificativa para a existência de , desenvolvido e publicado pela Easy Day Studios para PlayStation 4, e PC. Ao abrir o jogo, logo de cara somos recebidos por um tutorial para introduzir o jogador no chamado “Sistema de Controle de Pés Independentes” (independent foot control system), em que cada um dos botões direcionais analógicos controla um dos pés do personagem.

O mapa chamado Grande Rampa
Cada um dos pés é controlado por um dos botões analógicos de forma independente.

Mas se você pensa que andar de skate virtual é tarefa simples, não poderia estar mais enganado. é um verdadeiro simulador do esporte, para o bem e para o mal. O sistema de controle dos pés desenvolvido para o jogo é uma ferramenta riquíssima para traduzir a complexidade de andar sobre as 4 rodas, pois todas as manobras são executadas com a utilização dos botões analógicos. É com ele que podemos direcionar o peso do corpo para a parte da frente ou de trás do skate e realizar a manobra desejada. As cores diferentes de cada pé no personagem e a imagem do controle no canto da tela nos ajudam a acompanhar a sequência de movimentos, algo imprescindível para as técnicas mais avançadas do esporte.

O ponto forte aqui é a possiblidade que o jogador tem para criar suas próprias manobras, sejam simples ou complexas, com fidelidade aos movimentos dos atletas na vida real, uma vez que o controle dos pés está literalmente em nossas mãos. No entanto, essa simulação não é tão calcada na realidade como se poderia imaginar.

Sk8er Boi

Em termos de cenários, gráficos e aparência dos personagens, não demonstra a mesma consistência de seu núcleo de mecânicas. Embora os cenários sejam bonitos, fica claro que trata-se de um jogo indie e que os desenvolvedores resolveram priorizar o gameplay, que sem dúvidas é o ponto forte do jogo. Os poucos cenários disponíveis são interessantes pela liberdade que oferecem para o desenvolvimento das manobras sobre o skate. Percebe-se a intenção da Easy Day Studios em criar uma espécie de playground para os jogadores, onde podem testar as habilidades de forma livre em qualquer dos obstáculos que aparecer pela frente. Ainda que poucos, os cenários oficiais do jogo são vastos e incluem áreas bem diversificadas para manobras. Além disso, existe a possibilidade de baixar novos cenários e equipamentos desenvolvidos pela comunidade, como “mods”, o que amplia em muito a quantidade de mapas jogáveis.

Personagem cai em Skater XL
O jogo indica o nome de cada manobra bem executada. Mas às vezes as coisas não saem como planejado.

Assim como a limitação de cenários para jogar, também é bastante econômico na personalização do avatar do jogador. Basicamente podemos escolher entre um homem ou uma mulher e algumas características físicas e roupas, sendo estas últimas um pouco mais amplas, contando com várias marcas de camisetas, bonés, tênis e “shapes”.  Algumas personalidades do esporte também marcam presença como personagens jogáveis a serem escolhidos, mas não há qualquer bônus garantido com a escolha.

Além do esmero dos desenvolvedores com o gameplay, outro aspecto que ganhou um carinho especial foi a trilha sonora com músicas licenciadas de bandas reais relacionadas com o esporte, o que garante o clima ideal para a prática do esporte. Da mesma forma, os efeitos sonoros também são competentes para criar a ambientação urbana necessária para o esporte. A maior ressalva técnica com o jogo é com a aparência dos personagens, pois mesmo o cenário não sendo fotorrealista, também é bonito o suficiente para garantir a imersão do jogador, sobretudo na Grande Rampa disponível no jogo.

Tela de escolha de personagem
Infelizmente, são poucas as opções de customização do personagem.

Dias de Luta

Skater XL é um produto interessante. Não é o mais belo representante dos jogos de esporte disponível no mercado, mas consegue fazer estabelecer-se como base sólida que viabiliza a realização das manobras próprias do skate, entregando liberdade e profundidade de gameplay aos jogadores. Além de podermos andar livremente pelos mapas, existe um catálogo de manobras das mais básicas até as mais avançadas que podemos nos desafiar a realizar. A curva de aprendizado é bastante acentuada e exige uma coordenação motora digna de um skatista profissional. Por outro lado, existe um sentimento genuíno de satisfação a cada manobra realizada, assim como deve ser na vida real.

O conjunto de mecânicas e a proposta aberta de gameplay cria um cenário que ao mesmo tempo é interessante pelas possibilidades que entrega ao jogador, mas também deixa o jogo aparentemente sem objetivos. De certa forma, é uma sandbox em que a criação da diversão depende da criatividade do jogador, o que nem sempre é algo bom, pois não é todo mundo que possui a mente criativa o suficiente para se divertir e explorar todas as possibilidades existentes por horas a fio. Uma maior atenção à proposta de jogo com fases ou objetivos mais claros não faria mal algum.

Lista de manobras em Skater XL
O tutorial de manobras acaba funcionando como um marcador de objetivos do jogo.

No fim das contas, o gameplay de faz com que o jogo atue como uma plataforma para materialização das ideias e da criatividade do jogador na utilização do cenário, pois para um skatista um corrimão não é só um corrimão. Embora os gráficos não sejam os mais bonitos, a atuação da comunidade na criação de novos mapas e itens de customização ajuda a ampliar as possibilidades e a vida útil do jogo. Além disso, os desenvolvedores já anunciaram um modo multiplayer a ser implementado, o que deve melhorar bastante o jogo. Penso que uma continuação mais polida no futuro possa levar o jogo ao seu potencial máximo.

A análise de foi feita em um Pro, com base em uma cópia digital gentilmente fornecida pela assessoria de imprensa do jogo.

Tiago Matias Escobar
Metaleiro não uniformizado. Cerveja, pizza, games e viagens ocasionais.