Análise Submerged Hidden Dephts (PS4 e PS5)

Acompanhe a aventura dos irmãos Miku e Taku, explorando belas ruínas e descobrindo um mundo desolado em Submerged Hidden Detphts.

Submerged Hidden Dephts Capa

Hidden Dephts é um jogo simples com uma proposta de “relaxploration” ou seja, exploração e relaxamento. Já reparou que esse tipo de jogo está cada vez mais presente no universo dos videogames?

O mundo contemporâneo é marcado por uma medida de tempo que parece nunca ser suficiente para todas as tarefas. Quem nunca pensou que o dia poderia ter 30 horas? Com a aceleração artificial pela carga de informação que recebemos de todas as direções possíveis, o que cada dia gera mais ansiedade nas pessoas, ir contra a maré e desacelerar não é algo fácil, mas necessário e alguns jogos trazem esse tipo de proposta para tentar desacelerar o tempo. A gente viu essa proposta de modo muito intenso em Red Dead Redemption 2, em que a primeiras horas eram de tamanha lentidão, que foram até de afastar um pouco as pessoas acostumadas a jogos mais frenéticos. Tudo isso serviu para encaixar a proposta de experimentar a rotina de um grupo de bandidos de que viveu há mais de um século. Submerged Hiden Dephts também essa proposta de desacelerar e relaxar. No jogo não existe combate e as mecânicas são todas voltadas para a exploração do mundo e a descoberta dos mistérios que o cercam.

Efigie em Submerged Hidden Dephts
A efígie de uma pessoa morta pela “Massa”.

Submerged Hidden Dephts não esconde a inspiração em jogos como e Shadow Of The Colossus e até mesmo na quadrilogia Uncharted. Aqui, assumimos o controle dos irmãos Miku e Taku e devemos explorar várias ilhas, formadas por construções outrora imponentes, mas agora tomadas por um vasto oceano e por uma espécie de maldição, aqui chamado “A Massa”. Os protagonistas da estão fugindo e encontram nessa nesse lugar uma espécie de santuário que, no entanto, precisa ser limpo da mazela que o aflige.

Miku leva uma semente em Submerged Hidden Dephts
As sementes são artefatos capazes de limpar a corrupção da “Massa”.

As mecânicas do jogo são muito simples. No controle da garota Miku ou de seu irmão Taku, podemos andar pelo cenário, escalar obstáculos, resolver quebra-cabeças presentes no ambiente, tudo para encontrar “sementes” que são capazes de limpar a área da corrupção deixada pela massa. Os cenários ajudam a contar a história desse mundo submerso, seja por meio das construções ou mesmo de figuras que parecem ter sido habitantes das ilhas e transformados em efígies, estátuas orgânicas que ganham um sopro de vida quando Miku os encontra. O mundo de Submerged Hidden Dephts parece estar em pausa, congelado após as pessoas terem sido surpreendidas por um cataclismo que resultou na transformação de todos em algo parecido com plantas.

Menos é mais

Em termos artísticos, Submerged Hidden Dephts não possui grandes pretensões de fotorrealismo e talvez esse seja o seu mérito, pois as paisagens e cenários são belíssimos dentro da proposta de 3D cartunesco. Para acompanhar esse pacote, temos uma trilha sonora excelente que guia a de maneira competente, dando o tom de cada trecho, seja ele mais calmo ou mais tenso. O design dos personagens é bem interessante e traz personalidade aos irmãos aventureiros Miku e Taku e lembra as feições de povos que vivem no Oceano Pacífico, algo bastante condizente com a ambientação predominantemente marítima do jogo.

Miku e Taku exploram o mundo de barco
A exploração de Submerged Hidden Dephts é sempre de barco.

Mas o grande triunfo de Submerged Hidden Dephts está na construção das fases. Como o jogo é simples e possui uma gama limitada de interações que se resumem à exploração do cenário (não há combate, por exemplo), a desenvolvedora tirou o máximo dessa interação. Tal como em Super Mario Odyssey, existem objetos e passagens escondidas em plena vista, mas para encontrá-los devemos movimentar a câmera e a personagem para a direção correta. Isso nos faz enxergar cada ambiente com olhos atentos à procura de passagens para encontrar todos os itens que contam a história de cada lugar.

Miku e Taku, protagonistas
Os protagonistas, Miku e Taku.

No entanto, a simplicidade carismática de Submerged Hidden Dephts não alivia o fardo de que o jogo pouco tem a oferecer aos jogadores a não ser a exploração, pois até mesmo o enredo do jogo é pouco valorizado e não é capaz de prender a nossa atenção por mais de algumas horas. A repetição de tarefas, que vão ficando mais difíceis de serem cumpridas, é o calcanhar de aquiles do jogo.

Conclusão

No fim das contas, Submerged Hidden Dephts é um jogo interessante, que agrada aos olhos e aos ouvidos com uma trilha sonora incrível, mas que não oferece nada tão inovador a ponto de se destacar de suas próprias influências ou mesmo estar à altura delas (o que, para ser justo, não é tarefa fácil). É interessante para a proposta de relaxamento e exploração, mas a narrativa e jogabilidade limitadas não oferecem muito para manter os jogadores ocupados e interessados na jornada dos irmãos Miku e Taku. Recomendo para quem quiser experimentar algo sem pressa e curtir a paisagem.

Submerged Hidden Dephts foi desenvolvido e publicado pela e lançado em março/2022 para PC, 4, PS5, One e X/S.

A análise foi feita com base em uma cópia digital do jogo para 4, gentilmente fornecida pela assessoria de imprensa do jogo.

 

Tiago Matias Escobar
Metaleiro não uniformizado. Cerveja, pizza, games e viagens ocasionais.