Conversa de Sofá

Por Jefferson Gonçalves em 18/12/2017

Analise Star Wars – Os Últimos Jedi

Os Ultimos Jedi não se preocupa em dar muitas respostas, se arrisca em uma nova visão aos conceitos da mitologia e traz várias reviravoltas em sua trama e universo.

Em 2015, Episódio VII – O Despertar da Força começou com o pé direito uma nova trilogia do universo Star Wars. Jogando luz ao que aconteceu aos personagens icônicos de 30 anos atrás e também inserindo novos e carismáticos personagens que teriam agora em mãos o bastão da saga, expandindo ainda mais a sua mitologia. Passado esse período, que contou com o spin off, Rogue One – Uma História Star Wars, chegamos ao meio da trilogia, onde é padrão já termos uma noção de qual caminho a ser tomado pela saga e o que já se prepara para o seu desfecho.

É nessa ótica que criou-se uma grande expectativa para Star Wars – Episódio VIII: Os Últimos Jedi. Após J.J. Abrams trazer uma trama moldada nas origens de Star Wars, em especial a Uma Nova Esperança (1977), ficou à cargo de Rian Johnson dar a sua visão sobre a continuidade da trilogia e dar respostas a alguns mistérios de seu antecessor.

Episódio VIII talvez seja o que mais se arrisca dentro de seu universo e possivelmente o mais frustrante para os teóricos compulsivos. Aqui, Rian Johnson mostra que, apesar de fazer referências a O Império Contra-Ataca (1980), é possível seguir por um caminho diferente, desconstruir a fórmula e ainda manter uma história com reviravoltas que acrescentam elementos novos a trama. E quantas reviravoltas!

Rey finalmente inicia seu treinamento com Luke. Mas o que fez o mestre Jedi se exilar por tanto tempo?

Partindo de onde O Despertar da Força parou, vemos Rey (Daisy Ridley) buscando orientação e treinamento Jedi junto a um Luke Skywalker (Mark Hamill) desacreditado na Força, pelas consequências de sua falha com seu sobrinho e aprendiz Ben Solo, agora um atormentado e vingativo Kylo Ren (Adam Driver). No espaço, o exército da Primeira Ordem está fechando o cerco contra os remanescentes rebeldes liderados pela General Leia Organa (Carrie Fischer), que com a ajuda do capitão Poe Dameron (Oscar Isaac) precisam de um plano de fuga para evitar o fim da Resistência. Tudo isso sob os olhos do misterioso Supremo Líder Snoke (Andy Serkis), que quer a todo custo destruir Luke e trazer Rey para o lado sombrio da Força.

Mesmo com uma trama simples de fantasia, as decisões tomadas dentro dela partem para o lado mais racional, assim como as tão aguardadas respostas. E talvez seja o principal divisor de opiniões sobre o filme. Rian Johnson desmantela o conceito maniqueísta, deixando de lado a premissa rígida de bem contra o mal, para mostrar que os dois lados têm os seus questionamentos. Ou seja, nem sempre o herói está certo em suas escolhas e nem sempre o vilão é o que aparenta ser. Esse novo contexto dá outra visão para a saga e mostra que é possível sair do previsível em Star Wars.

Kylo Ren mais um passo em direção ao seu destino junto ao lado sombrio da Força

Um exemplo disso é a relação entre Rey e Luke, de uma aprendiz angustiada em busca de conhecimento por um mestre Jedi, que outrora foi considerado uma lenda, mas que hoje tem dúvidas sobre o conceito da Força e da própria ordem Jedi, trazendo um olhar diferente ao que foi apresentado até agora na mitologia. O mesmo vale para a realidade da guerra e seus dois lados, apresentados de forma crua para Finn (John Boyega) em determinada parte do filme. Nesse quesito a direção acerta em cheio ao mostrar a dualidade em alguns pontos, o que vai deixar vários expectadores intrigados até o final do filme. Essa decisão impacta diretamente no peso das respostas para alguns mistérios, que com certeza vai quebrar várias teorias criadas pelos fãs. Nesse ponto, o filme ousa e entrega soluções críveis, mas que vai para o lado oposto do mítico de Star Wars, sem se preocupar muito com o que havia sido sugerido no filme anterior.

A fotografia é outro destaque do longa, apresentando belíssimos planos, seja no salão do Supremo Líder Snoke, na Ilha Jedi de Anch-To e no campo de batalha no planeta Crait, onde o contraste do solo branco e vermelho são um espetáculo visual impressionante. Ponto novamente para Johnson nesse quesito. As lutas com os sabres de luz também tem os seus momentos, não sendo gratuitas, muito bem coreografadas e assim como o ápice na batalha final, compõem o cenário contando uma história junto com o ambiente, não sendo apenas um simples duelo de espadas.

Infelizmente em alguns momentos Episódio VIII não passa batido por alguns deslizes, muito por alguns arcos de personagens que ficam incompletos, repentinos e outros que acabam prejudicados pelo andamento moroso, se afastando da trama principal, como é o caso de Finn. Ainda assim, nada que comprometa o filme em si.

Star Wars: Os Ultimos Jedi busca outro olhar em seu conceito e acerta com excelência ao quebrar a jornada do herói, do vilão e até mesmo do mestre. Apresentando questionamentos que até então não eram vistos na série, e segue um caminho mais arriscado, mas ao mesmo tempo inovador.  É um filme emocional em diversas cenas, dignas de vibração na sala de cinema. Traz a nostalgia de volta com seus antigos personagens e também confia a uma nova geração a continuidade desta saga que já dura 40 anos. Imperdível.

Star Wars  – Os Ultimos Jedi já está em exibição em todos os cinemas do Brasil.

DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise do jogo Far Cry 3

    Análise de Far Cry 3

    Está indeciso sobre o novo Far Cry 5? Mas e que tal revisitar um dos melhores jogos da franquia, confira nossa análise de Far Cry 3 e saiba se vale a pena jogar o título ainda em 2018 e tire suas conclusões.

  • Análise South Park: A Fenda que Abunda Força

    A polêmica continuação de “The Stick of Truth” traz diversas melhorias em gameplay, um combate mais evoluído e divertido, mas uma história menos desenvolvida, confira nossa análise de “A Fenda que Abunda Força”, o novo South Park.

  • Análise Assassin’s Creed Origins

    Depois de 10 anos de uma das mais relevantes franquias da indústria de jogos AAA, Assassins’s Creed deu claros sinais de necessitava de uma reformulação. Será que a Ubisoft conseguiu repetir o sucesso de Assassin’s Creed 2?

  • wolfenstein_II

    Análise Wolfenstein II: The New Colossus

    A ameaça nazista nunca dorme, mas o nosso herói “Terror Billy” também não, e ele está de volta mais uma vez mandando bala com suas armas e trajes futuristas em Wolfenstein II: The New Colossus.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS