Conversa de Sofá

Por Diego Matias em 10/08/2017

Análise Superhot

Superhot mistura o gênero de tiro em primeira pessoa com puzzles bem elaborados envolvendo controle do tempo e uma direção de arte minimalista e bem objetiva.

Jogos são arte como todos sabemos e acredito que aquilo que os transforma em algo mais que apenas entretenimento é a soma dos seus elementos criativos. Partindo desse pressuposto, o que se pode ser dito pra definir a outra metade, a parte “jogo” desse produto cultural? Embora essa questão possa ser impossível de responder definitivamente, são dois os elementos mais comuns: jogabilidade e narrativa; e desses, a jogabilidade é o alicerce de tudo. Desde Tetris, que é gameplay puro até os títulos da Telltale que são centrados no desenvolvimento de uma história, um jogo exige interatividade.

Superhot a primeira vista é um FPS, só que basta conhecer seu conceito principal nos primeiros minutos de jogo para entender que se trata na verdade de um quebra-cabeças. Cada fase é um puzzle organizado pra ser resolvido com a sua principal ferramenta à mão: tempo. Pra quem não tomou conhecimento do título que foi lançado no ano passado e que agora ganhou sua versão para PlayStation 4 e PlayStation VR, o conceito é bem simples: você está sendo perseguido e precisa sobreviver em situações de combate armado; seus inimigos são silhuetas vermelhas armadas com pistolas, rifles e espadas e surgem por todos os lados em grupos para te matar. Para se defender, você pode utilizar qualquer arma disponível, além de objetos que podem e serão arremessados nos seus inimigos numa velocidade muito superior à deles pois esse é o truque de Superhot: o tempo só passa normalmente, quando você se move e até que você faça isso, é livre pra olhar tudo ao seu redor, planejar seus ataques e inclusive desviar de balas. Esse conceito é o alicerce do jogo todo. Sim, igual em Matrix e com um toque das VR Missions do Metal Gear Solid do PS1.

Superhot

Parece puro visual, mas é jogabilidade acima de tudo

Time is On My Side

Superhot é um jogo elegante. Os inimigos são silhuetas esguias num vermelho que deixa clara a intenção deles. O jogador possui uma silhueta negra assim como todas as outras armas disponíveis – talvez indicando que o protagonista também é uma delas. O cenário em tons de branco/cinza deixa evidente que a única coisa que importa aqui é escapar com vida dos cenários de perseguição usando manobras em câmera lenta. A parte boa é que esse conjunto deixa as nossas ações muito bonitas de assistir e é um prato cheio pra streamings e compartilhamentos de clipes.

A parte não tão boa é que esse visual estiloso fica cansativo após algumas horas de jogo, principalmente quando tentamos passar sem sucesso por algumas fases. Mas mesmo nesse caso, a duração do jogo não facilita – Superhot pode ser completado em cerca de 4 horas.

More Than Meets the Eye

Eu mencionei que esse jogo tem certa semelhança com a obra máxima das irmãs Watchowski? Pois é. O enredo de Superhot flerta com alguns dos conceitos apresentados nessa já saudosa trilogia tecnológica e não vou dizer quais; deixo pra você experimentá-los por si mesmo quando for jogar, já que por causa da duração, qualquer exposição pode estragar um pouco a sua experiência com o enredo do jogo. Não é nenhum marco na história do entretenimento eletrônico mas é uma adição bem vinda num jogo que poderia muito bem ser lançado sem nada disso – e funcionaria! – já que o foco de Superhot é a ação em câmera lenta, inclusive a ponto de sacrificar uma meia dúzia de convenções dos jogos de tiro modernos pra deixar claro que o que importa é como usaremos o tempo a nosso favor na hora de escapar das situações em que o jogo nos coloca. Algumas mecânicas extras fariam muito bem à ação como a simples possibilidade de se abaixar ou executar alguns ataques aéreos mas honestamente acho que o jogo acaba se beneficiando do número limitado de ações possíveis.

Um detalhe interessante que exemplifica a simplicidade das mecânicas do jogo é que embora os comandos tenham certa variedade, quase tudo pode ser resolvido com apenas um botão de ação. Mesmo nos trechos fora dos tiroteios em que o jogo nos ensina a usar R2 + L2 pra executar certo comando, isso também pode ser resolvido apenas apertando X repetidamente. O mesmo vale pra quando é preciso arremessar objetos e apenas dois comandos se diferenciam, o pulo (o jogo usa L2 pra pular. Vai entender…) e o botão de reiniciar a missão que é triângulo. Dependendo da missão em que você estiver, o botão de reiniciar missão vai ser uma companhia constante e, ainda bem que o tempo de espera até a missão recomeçar não é tão longo. Não é imediato como em Hotline Miami, por exemplo, mas não atrapalha. Tudo feito pra você voltar à ação sem perder tempo (olha o tempo aí de novo).

Superhot

Mais do que aparenta

A mecânica intrigante e a ambientação estilosa de Superhot cria situações bem legais de subversão em que começamos em desvantagem e logo nos tornamos a principal ameaça para os inimigos que estão no cenário. Apesar da jogabilidade limitada, descobrir táticas interessantes e executá-las é bastante satisfatório e a duração do jogo assegura que essa satisfação não se perca em repetições maçantes e fases que só existem pra encher linguiça.

Let's rock and ride!
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise South Park: A Fenda que Abunda Força

    A polêmica continuação de “The Stick of Truth” traz diversas melhorias em gameplay, um combate mais evoluído e divertido, mas uma história menos desenvolvida, confira nossa análise de “A Fenda que Abunda Força”, o novo South Park.

  • Análise Assassin’s Creed Origins

    Depois de 10 anos de uma das mais relevantes franquias da indústria de jogos AAA, Assassins’s Creed deu claros sinais de necessitava de uma reformulação. Será que a Ubisoft conseguiu repetir o sucesso de Assassin’s Creed 2?

  • wolfenstein_II

    Análise Wolfenstein II: The New Colossus

    A ameaça nazista nunca dorme, mas o nosso herói “Terror Billy” também não, e ele está de volta mais uma vez mandando bala com suas armas e trajes futuristas em Wolfenstein II: The New Colossus.

  • Análise The Evil Within 2

    Melhorando o que não funcionou bem no primeiro jogo e fazendo bom uso da experiência de Shinji Mikami, The Evil Within 2 é uma boa dose de terror e sobrevivência.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS