Conversa de Sofá

Por Flávio Ricardo em 11/11/2013

Cheguei ao fim de Battlefield 4, e agora Recker?

Dunn, Recker, Pac e Irish são membros do esquadrão Lápide, o game se passa no ano de 2020, Estados Unidos e Russia encontram-se em guerra novamente e a China está no meio (leia-se, “tacando o terror” dos dois lados) desse conflito. Seu esquadrão deve executar missões afim de impedir uma derrota iminente a nação americana. Basicamente esse é o desfecho da campanha de Battlefield 4, que após finalizada, deixa aquele gostinho de “quero mais”.

Ficha técnica

  • Plataforma: PC / PS3 / PS4 / Xbox 360 / Xbox One
  • Lançamento mundial: 29 de Outubro
  • Preço sugerido: R$ 199.90
  • Desenvolvedor: DICE
  • Distribuidor: EA Games

Se de fato fizéssemos essa pergunta a Recker, ficaríamos no vácuo. E é assim durante toda a campanha de Battlefield 4, em todas as suas aproximadamente 4 horas de duração, como já adiantado em alguns sites “especializados” em games, a campanha, não é das maiores. Recker, ou melhor, você no game, simplesmente não fala, mas esse assunto volta mais tarde.

Para te ambientar mais sobre o game, vou tentar resumir um pouco o seu contexto, e não estranhe o uso da palavra contexto ao invés de história, pois do meu ponto de vista o game não tem uma história de fato, como acontece em COD, tem no máximo uma moral da história. Não se desanime, isso não torna o game menos atrativo, a todo momento você se vê em meio a situações tensas e bastante emotivas, te fazendo pensar sobre o que cada um dos personagens está sentindo naquele instante.

Battlefield 4 Golmud Railway

Isso realmente prende a sua atenção e te faz jogar o game quase de forma interrupto, além é claro, de te aproximar mais ainda de como seria uma guerra real. A dublagem em português torna essa experiência ainda mais empolgante.

Agora vamos voltar ao “problema Recker”. Durante todo o gameplay, você infelizmente não escuta a voz do seu personagem e isso em certos momentos frustra. Quando um de seus companheiros fala com você, é como se o personagem sempre respondesse acenando com a cabeça, complicado né.

Contexto História

Dunn, Recker (você), Pac e Irish são membros do esquadrão Lápide, o game se passa no ano de 2020, Estados Unidos e Rússia encontram-se em guerra novamente e a China está no meio (leia-se, “tocando o terror” dos dois lados) desse conflito. Seu esquadrão deve executar missões afim de impedir uma derrota iminente a nação americana. Durante o desenvolvimento do game alguns membros do seu esquadrão saem e novos entram por diversas razões. Suas missões geralmente são passadas pelo comando da operação ou representam ações específicas para a sobrevivência do time.

Trilha sonora

O som do game é muito bom e realista. A trilha sonora é ótima! Cada música, criada exclusivamente para BF4, casa perfeitamente com cada momento. O tema de abertura do game é excelente, e está presente durante alguns momentos da campanha também. Quem sabe algumas músicas “conhecidas” poderiam estar no game para dar um ar mais cômodo, como em GTA ou nos games da série Need of Speed, mas com certeza isso seria apenas um plus em algo que já agrada.

Os bugs!

Antes de mais nada, nem vou falar sobre gráficos, eles são excelentes no PC e muito bonitos nos consoles, raramente você vê algum problema nesse sentido, e é isso. Agora quando se tratam de bugs, pelo menos na campanha eles ocorrem sim, e são bem bizarros. Em um determinado momento do game, derrotamos uma onda de inimigos, mas os meus companheiros de esquadrão simplesmente ficaram imóveis, repetindo as mesmas frases e por mais que eu explorasse todo o cenário, nada acontecia, ficamos presos ali, e para resolver precisei reiniciar do último checkpoint e eliminar todos os inimigos novamente.

Em outro momento estava eu subindo uma escada quando simplesmente fui sugado para o mar, sim, para o mar, e sem a possibilidade de voltar ao game, me afoguei para reiniciar. Poderia citar mais alguns, mas nem de longe são bizarros como estes dois.

BF4 já recebeu uma atualização no dia de seu lançamento e imagino que irá receber mais algumas nos próximos meses, não apenas focadas no multiplayer, solucionando estes e outros problemas.

O fim…

Battlefield 4 Hannah and Irish

A minha conclusão é a seguinte: se você gosta do estilo de jogo de BF4, mas não se dá bem no modo multiplayer, irá se frustrar, a campanha é curta e mesma na dificuldade difícil não apresenta um nível de entretenimento maior, com certeza gastar R$ 200 só pelo single player, não dá. O game possui na teoria, 3 finais, porém fiz a última missão mais de uma vez após o zeramento, e sinceramente, mudar a minha escolha final em nada alterou a última cutscene.

Recomendo a todos, que considerem bastante passar algumas horas no multiplayer do game, o começo pode ser difícil, mas com certeza você irá se divertir por muito mais que apenas 4 horas. Certo Recker?

É um sul-mato-grossense de 20 e poucos anos, que começou no mundo dos games jogando Master System e Mega Drive, quando então conheceu o melhor console já criado neste mundo: o Super Nintendo. Já foi dono dos "clássicos" PSOne e PS2 e hoje passa horas disputando partidas online de Gears of War 3 no Xbox 360.
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise Playerunknown’s Battlegrounds (PlayStation 4)

    O jogo que popularizou o gênero Battle Royale finalmente foi lançado no console da Sony para a alegria dos jogadores da plataforma PlayStation (e da Bluehole, que agora atinge a maior base instalada dessa geração). A criança prodígio do Brendan Greene chegou a tempo ou tarde demais?

  • Análise Crashlands (Nintendo Switch)

    Originalmente lançado para celulares e posteriormente para PC, a versão de Switch desse RPG de ação em tempo real foi desenvolvida para ser controlado em telas de toque e com controle convencional. O que é perfeito para o console híbrido da Nintendo.

  • Análise H1Z1 (PlayStation 4)

    Na recente tendência dos jogos Battle Royale, H1Z1 estreia no Playstation 4 com a pretensão ambiciosa de bater de frente com Fortnite, o gigantesco sucesso da Epic Games.

  • Análise Bloodstained: Curse of The Moon

    Inti Creates teve a tarefa de entregar a prévia do Bloodstained Ritual of The Night e criou um perfeito sucessor do Castlevania original de 1986.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS