Análise Graveyard Keeper: Game of Crone (PS4)

A DLC Game of Crone de Graveyard Keeper acrescenta novidades e mistérios para agitar ainda mais a sua rotina de cuidador de cemitério medieval.

Game of Crone

Quando escrevi minha análise para Graveyard Keeper aqui para o Conversa de Sofá, ficou claro para mim que ele era um jogo distinto do que eu estava habituado (leia-se Stardew Valley) e que esse era justamente um dos seus maiores chamarizes, especialmente para aqueles que já fizeram tudo o que havia para ser feito na fazendinha bucólica criada por Eric Barone.

Pois bem, eis que o jogo da Lazy Bear Games recebeu sua terceira expansão, a DLC Game of Crone, ocasião perfeita para que eu voltasse para a vila medieval e para os defuntos trazidos pelo Burro. Não sem alguma surpresa.

Game of Crone
( ͡° ͜ʖ ͡°)

A Revolução dos Bichos

Para meu espanto, o progresso que eu tinha alcançado desde a última vez não foi encontrado pelo jogo – provavelmente porque esta é a edição completa com todo o conteúdo adicional – então precisei recomeçar minha carreira de coveiro do zero. Por um lado foi mais fácil saber algumas coisas de antemão mas ainda assim, a estrutura de missões e construções se desenrola de uma maneira bem peculiar em com suas placas de produção atreladas a cada área do jogo – igreja, cemitério, necrotério, pedreira, etc – e seus desbloqueios que poderiam (deveriam!) ser mais explicativos.

Game of Crone
As frases do Burro são dubladas pelo Jorge na minha cabeça.

O conteúdo adicional da vez, apresenta três novidades ao jogo que já havia recebido duas outras DLCs. Conforme havia mencionado no podcast Conversa de Sofá, a DLC Game of Crone acrescenta um acampamento de refugiados para que a gente ajude a gerenciar, agradando os ex membros da nobreza que perderam tudo e foram morar de aluguel após serem perseguidos pelo Inquisidor; um vampiro misterioso, cuja identidade precisaremos descobrir com a ajuda dos moradores do vilarejo e a melhor adição de todas, a campanha do Burro que iniciou a sua própria revolução do proletariado e exige recursos para financiar a sua causa, e em troca, continuar fornecendo os cadáveres para o cuidador do cemitério.

Uma coisa boa para quem adquirir essa edição por conta do conteúdo adicional e já tiver começado o jogo assim como eu fiz, é não precisar atravessar o jogo todo até que os eventos da comecem a pipocar na sua campanha. Basta que alguns dias passem dentro do jogo para recebermos visitas dos refugiados, ouvir notícia sobre os ataques e para que o Burro entre em greve exigindo melhores condições de trabalho.

O Seu Papel é Agradar

O mistério do vampiro de fato irá colocar o cuidador em uma investigação e teremos que procurar por pistas e entrevistar as supostas testemunhas das atividades dessa criatura noturna e a estrutura dos diálogos não modifica muito aquilo que já fazíamos na campanha normal na hora de interagir com um NPC, algo que não é ruim mas também não é o melhor aspecto do jogo, já que na maioria das vezes essas conversas se desdobram em mais trabalho. Não me entenda mal, o jogo é sobre ter o que fazer no cemitério e em outros lugares do mapa, mas a impressão que eu tive é que os NPCs são fonte de muito trabalho e pouca recompensa, que eu enxergo como sendo o desbloqueio ou aprendizado de novas tecnologias e habilidades. A dinâmica de atender às exigências do Burro já me pareceu bem mais interessante uma vez que é uma troca direta de trabalho pela recompensa de ter cadáveres ao nosso dispor (quem trabalha para quem afinal?) e também porque os diálogos com ele são os mais absurdos e divertidos da Game of Crone.

Graveyard Keeper
Os refugiados são bem folgados, se me permite dizer.

Os refugiados, por sua vez, solicitam coisas básicas como água potável e comida para que fiquem satisfeitos e permitam que a gente construa mais cabanas e outras benfeitorias no local (um poço artesiano, por exemplo). Uma boa adição para quem já tenha terminado todas as tarefas das campanhas anteriores mas que não deixa de seguir a dinâmica de “acatar ordens para agradar o NPC”.

Obter os materiais necessários para atender as demandas dos personagens pode ser a coisa mais complicada dessa nova expansão, caso você esteja jogando desde o início ou pela primeira vez, já que alguns são produtos derivados de matérias primas bem específicas (fabricar livros leva um bom tempo) e graças ao jeito meio bagunçado como as tecnologias funcionam.

Uma experiência ampla (com limitações)

Há muito o que se fazer em como um todo e agora, com essa DLC, tem mais coisa ainda. Dependendo do tipo de jogador que você é, irá aproveitar mais ou menos esse jogo que acerta muito no modo como nos prende ao ciclo de jogabilidade e na atmosfera que foge do padrão “jogo de fazendinha”, mas que possui limitações como uma trilha sonora um pouco cansativa e uma estrutura de tecnologias e habilidades menos intuitiva do que deveria ser. Se você quer um jogo para perder horas e horas, não tenha dúvida de que a Game of Crone de irá recompensar o seu interesse.

Graveyard Keeper
CoExProPB

A análise da Game of Crone de r foi escrita graças a uma cópia gentilmente cedida pela assessoria de imprensa do jogo.

Diego Matias
Além dos reviews, escrevo no Riffs & Solos e faço vídeos com meu irmão no canal SuperContra. Passa lá!