Análise World War Z: Aftermath (PlayStation 4 e PlayStation 5)

World War Z: Aftermath expande o jogo original com o mesmo propósito de antes: juntar os amigos para triturar hordas de zumbis na bala.

world war z aftermath capa

De tempos em tempos acontece comigo um fenômeno comigo que eu chamo de “ressaca de jogos” em que nem os meus títulos preferidos dão qualquer satisfação. Quando isso acontece eu costumo recorrer a jogos com premissas simples (ou sem nenhuma), que entregam jogabilidade divertida logo de cara. Esse é exatamente o caso de World War Z: Aftermath, edição que aprimora o que já era divertido no World War Z original trazendo mais mapas, personagens e armas para os sobreviventes se defenderem das hordas de zumbis, e também um modo imersivo em primeira pessoa.

world war z aftermath new york
Um tiro silenciado impede que situações virem problemas.

Resistência e sobrevivência

Em World War Z: Aftermath temos 5 cenários adicionais além dos originais, entre cidades novas e atualizações das antigas com novas áreas, mais personagens, roupas, classes e modificações de armas. Basicamente, se você tinha interesse no jogo original mas por alguma razão achava ele incompleto, essa atualização era o que você estava esperando.

Como disse no início, a premissa é simples e a jogabilidade também. World War Z: Aftermath consiste em você e mais 3 amigos (ou 3 bots) passando por cenários em diferentes partes do controlando diferentes sobreviventes – bombeiro, soldado, professora – que precisam cooperar para escapar com vida do pandemônio que se tornaram as maiores cidades do planeta.

A primeira missão – tanto no jogo base quanto aqui – mostra um grupo de 4 pessoas deixadas para trás pelos helicópteros de resgate e que precisam escapar de um shopping center, passar pelos esgotos de Nova Iorque e chegar ao porto para fugir em um barco. Encerrados os atos dos capítulos, seguimos para a próxima cidade onde controlaremos novos personagens com novos equipamentos e uma nova situação.

world war z aftermath rome
Essa beleza aqui “acalma” os zumbis.

A dos personagens é contada por meio de gravações de áudio (com pinturas ilustrativas) que são desbloqueadas com o avanço no jogo. Um bom jeito de deixá-la opcional mas que também pode fazer com que seja totalmente ignorada por quem não estiver motivado a ir atrás de mais detalhes sobre os sobreviventes. A variedade de personagens e cenários é positiva por manter o jogador sempre interessado em saber por quais situações aqueles sobreviventes irão passar apesar da ação não variar muito entre os cenários que podem ser explorados minuciosamente para localizar melhores armas e equipamentos extras como bombas para abrir portas trancadas e uma terceira arma pesada especial que pode ser uma LMG, uma motosserra, um lança granadas ou um rifle de precisão poderosíssimo.

Sempre começamos em um lugar relativamente calmo e com a possibilidade de avançar sem ser ouvidos ao usar uma pistola silenciada. Isso evita que a horda de mortos vivos despertem do transe em que estão e venha correndo enlouquecida atrás do nosso cérebro. Alguns inimigos especiais merecem cuidado redobrado: um zumbi que fica escondido (Creeper) até que você esteja próximo dele para te atacar de surpresa, um brutamontes que derruba todos no caminho, agarra o jogador e o esmaga no chão com golpes contínuos, um zumbi que grita para chamar outros inimigos e até uma ninhada de ratos. Não é possível escapar de nenhum deles caso você seja agarrado então a única chance de ser salvo é com a ajuda dos seus colegas de equipe, uma ótima maneira de estimular a cooperação entre todo mundo nas partidas.

Diversão Variada

Além dos capítulos que compõem a do jogo, World War Z: Aftermath também tem 2 modos adicionais: Horda e Team deathmatch, sendo que esse último é o que mais foge da proposta inicial, apesar de também incluir zumbis no meio das batalhas contra outros jogadores. O modo Horda, por sua vez, remove toda a exploração existente nos capítulos da do jogo e foca nos momentos em que os sobreviventes precisam proteger seu território contra uma quantidade inacreditável de zumbis de todo tipo, certamente o ponto alto do jogo.

Segurar o avanço de centenas de mortos vivos na bala é super prazeroso, empolgante e desafiador. As diferentes classes de sobreviventes dão habilidades distintas para cada um deles – granadas, munição explosiva, mais cura – e é nesse cenário que a escolha feita será colocada à prova, especialmente nas dificuldades mais altas. Nessa hora, o jogador vai experimentar tudo o que o jogo pode oferecer em termos de desafio.

world war z aftermath horde
Hora da motosserra cantar!

World War Z: Aftermath não reinventa a roda. A proposta dele é até um pouco parecida com outros jogos recentes ( e Zombie Army 4) mas ele se garante no que propões e entrega partidas que exigem tática e cooperação em horas e horas de ação bem orquestrada, além de possuir Cross-Play entre os consoles da e Sony. Recomendo.

 


A análise de World War Z: Aftermath foi escrita graças a uma cópia digital gentilmente fornecida pela assessoria de imprensa do jogo.

Diego Matias
Além dos reviews, escrevo no Riffs & Solos e faço vídeos com meu irmão no canal SuperContra. Passa lá!