Como foi a beta de The Division

Testamos a versão de PlayStation 4 de The Division e temos algumas coisas a dizer sobre esse hypado jogo de sobrevivência com elementos RPG anunciado pela Ubisoft na E3 de 2013.

Anunciado durante a conferência da Ubisoft na E3 de 2013, teve sua versão beta liberada no dia 28 de fevereiro para One e no dia 29 para PC e PlayStation 4, sendo essa última a plataforma onde testamos o jogo durante quatro dias.

O jogo na época gerou uma grande expectativa, devido a versão apresentada na E3 que continha física e gráficos impressionantes, nunca antes vistos em qualquer outro título da Ubisoft.

Confira abaixo o vídeo apresentado em 2013 com cerca de seis minutos de gameplay de The Division:

Mas e aí, teve downgrade?

Sim, a beta não apresentou as mesmas características da versão da E3, ainda assim, impressiona muito. O brilho e a luz, as partículas e texturas dos objetos e dos cenários não deixam a desejar a nenhum jogo da nova geração.

A Ubisoft alega que ainda haverá mudanças para a versão final. Sinceramente, apesar de não condizer com o que foi apresentado previamente, não justifica toda a reclamação que vem sendo feita nas redes sociais.

Uma das primeiras áreas disponíveis na beta de The Division
Uma das primeiras áreas disponíveis na beta de

Nossa experiência com o jogo

é um jogo que possui características de vários jogos, principalmente o recente Destiny e os jogos da série Fallout. Ele possuí elementos de RPG, logo esqueça mortes instantâneas, a chance de você causar dano em um inimigo, dependerá do seu nível, do nível de sua arma e do nível do adversário.

Seu personagem possui uma árvore de talentos, bem simples, com habilidades de saúde, tecnologia e segurança. Na beta, você já começa no nível 4, com um ponto de skill liberado a escolher. Você pode restruturar a sua árvore a qualquer momento.

Árvore de habilidades e personalização de personagem
Seleção de personagens

Basicamente foram apresentadas duas missões principais e algumas missões secundárias. O cenário é de um mundo pós-apocalíptico. Nova York foi atingida por uma pandemia que levou a cidade ao caos.

A missão principal é bem curta e consiste em defender uma base militar e resgatar uma médica no Madison Square Garden. Essas missões podem ser feitas sozinho ou em modo cooperativo. Mesmo curta, foi uma experiência bem divertida completá-la.

Os gráficos de The Division são estonteantes
Os gráficos de são estonteantes

Após terminar a missão principal, partimos para as missões secundárias, que consistiam em invasão de base de gangues inimigas, resgate de reféns ou defesa de alguma área e uma de investigação.

Enquanto caminhávamos entre as missões, exploramos todas as áreas disponíveis, ação que parece ser parte fator determinante em The Division. Encontrar itens é essencial para a melhoria do seu personagem, por possuir elementos de RPG, os itens possuem níveis e as armas podem ser melhoradas e customizadas. No PvE (Player vs Environment) essa mecânica é bem interessante e te prende a querer fazer as missões.

Personalização de armas e itens em The Division
Personalização de armas e itens em

A Dark Zone

Em temos a área da cidade que esta tudo sob controle, onde podemos andar livremente para procurar por itens e temos também a área chamada de Dark Zone. Esta segunda é a área PvP (Player vs Player), que pode ser uma experiência extremamente frustrante logo de cara. Ao adentrar na Dark Zone, você pode tanto jogar sozinho ou com seus amigos, a segunda opção é a mais recomendada.

Entretanto, se você encontra um grupo de outros jogadores e você está sozinho com seu loot da Dark Zone coletado, este precisa ser extraído em um extraction point (pois é um equipamento contaminado dentro do contexto do jogo), tome cuidado pois este grupo pode ser camarada e te ajudar na extração mas também pode ferrar com a sua vida e tentar lhe roubar.

Ponto de extração da Dark Zone
Ponto de extração da Dark Zone

Vamos supor que eles não sejam amigáveis e tentem te matar, eles são marcados como rogues, significa que estes jogadores atacaram outros jogadores, logo se você morre como rogue, você perde o dinheiro que é coletado na Dark Zone e se você estiver carregando loot você perde também.

A Dark Zone reflete a destruição de um mundo pós-apocalíptico
A Dark Zone reflete a destruição de um mundo pós-apocalíptico

Na beta, foi isso o que deu pra fazer na Dark Zone, explorar o cenário e buscar por um loot melhor. Se o jogo final se limitar a isso, pode ser que se torna uma experiência repetitiva que ejoe rápido.

Mas é claro, na versão final espera-se uma variedade maior de missões e principalmente coisas para se fazer no modo PvP.

Nesse período em que jogamos, exploramos o cenário, fomos à Dark Zone, caçamos e lutamos para extrair nosso loot no processo, confesso que enjoamos rápido.

Mais novidades devem surgir na próxima beta e é claro na versão final, será lançado no dia 8 de março no PC, e One.

Allison Barros
Gamer desde quando me entendo por gente! Apaixonado por clássicos como The Legend Of Zelda e o SNES. Também conhecido em alguns lugares como Índio. Nas horas vagas, nada melhor do que sentar em frente a TV e ligar um console para passar horas imerso em um mundo onde as leis da física não se aplicam!