Conversa de Sofá

Por Diego Matias em 22/12/2016

Análise Ultimate Marvel vs Capcom 3 (PS4)

Para antecipar o lançamento de Marvel vs Capcom: Infinite, a Capcom relançou o jogo Ultimate Marvel vs Capcom 3 para a nova geração, jogamos e analisamos a versão de PlayStation 4 do jogo que reúne os melhores heróis das duas gigantes.

A Capcom é lendária. Foi a responsável por inúmeros jogos inspirados nos personagens da Disney desde os 8 bits. Em 1994, a empresa lançou dois jogos com os X-Men: Mutant Apocalypse, pra SNES e o seminal Children of the Atom pra Arcade e como os fliperamas eram dominados pelos jogos da SNK, o lindíssimo jogo de luta dos mutantes abriu as portas pra adaptação do arco Desafio Infinito em formato de jogo de luta: nascia o primeiro jogo de luta com personagens Marvel, o inesquecível Marvel Super Heroes.

Ter a maior franquia de luta dos videogames e um dos grandes beat ’em ups da época sob o seu nome foi suficiente pra que a Marvel começasse a encomendar jogos inspirados em seus heróis para o Super Nintendo – a despeito da parceria muito bem sucedida com a Konami (outra gigante em jogos baseados em franquias) nos arcades.

Foi só somar 2 com 2 e em 1998, já tendo desenvolvido X-Men vs Street Fighter e Marvel Super Heroes vs Street Fighter, os Arcades receberam Marvel vs Capcom: título mais amplo pra abarcar quem quer que fosse sob que estivesse sob ambas as marcas, de Mega Man a Galactus.

Selva de epiléticos

Onze anos após o segundo título, a Capcom lançou Marvel vs Capcom 3: Fate of Two Worlds nos consoles da 7ª geração e dessa vez o título que estava insistindo nos personagens desenhados, abraçou os gráficos 3D e com eles, vieram as drogas pesadas os efeitos e animações super coloridos para dar ênfase nos poderes dos heróis.

A versão que joguei – Ultimate Marvel vs Capcom 3 – é a versão definitiva lançada esse ano pros novos consoles, devidamente refeita em 1080p e rodando a 60 frames por segundo, ou seja: mais rápido, mais colorido e mais vibrante, sendo essa a principal qualidade. Toda essa informação na tela pode não agradar a todos mas no fim das contas é justo que um jogo procure se destacar por uma direção artística clara. Quem gosta cai dentro e quem não curte, bem, não pode dizer que não foi avisado.

Sobre a jogabilidade, Ultimate Marvel vs Capcom 3 parece estar voltado pra jogadores mais casuais já que seus controles acessíveis – não há separação entre botões de chute ou soco – são ideais pra que crianças se sintam à vontade com o jogo. No fim das contas, qualquer pessoa sem muita afinidade com videogames poderá aprender a jogar e se divertir.

Ilustres Desconhecidos

Apesar de eu não estar no grupo que gosta de ver todas aquelas cores enlouquecidas, não é esse o calcanhar de aquiles do título e sim o abismo que separa os personagens menos desconhecidos da Marvel dos da Capcom. Mesmo o jogador mais casual do mundo reconheceria pelo menos metade dos personagens no lado da Marvel graças aos filmes – oras, não acabamos de conhecer Dormammu no filme do Dr. Estranho? – e além disso, é muito natural que esses heróis e vilões sejam protagonistas e se enfrentem em um jogo de luta e infelizmente essa naturalidade não inclui todos os personagens da Capcom.

Se colocar o Mega Man num combate contra o Ryu já é algo difícil de conceber, já que o robô azul não é um personagem que dá socos nos seus títulos originais como os protagonistas de Final Fight ou Captain Commando; quando Zero, o personagem surgido no Mega Man X, se junta ao Chris Redfield e ao Frank West (Dead Rising), ou Phoenix Wright pra lutar contra Hulk, Homem de Ferro e Wolverine, nada mais faz sentido e você acaba por diminuir os personagens da Marvel. Essa salada de personagens de luta, beat ‘em up, survival horror e plataforma da Capcom é o grande vilão desse lançamento e, por que não, da franquia Marvel vs Capcom.

E por falar em grande vilão, o modo Arcade tem uma campanha bem simples e legal, com lutas em sequência até chegar a vez de enfrentar Galactus, o “apelão” – imagine aqui, Jill Valentine lutando contra o engolidor de mundos. Similar ao que a Capcom fez com Apocalypse, o chefe final de X-Men vs Street Fighter, o gigante Galactus ocupa metade da tela mas só da cintura pra cima. O suficiente pra usar todo tipo de truque sujo pra cima da gente. A luta acontece em duas etapas: na primeira parte você irá enfrentar 2 personagens que lutam juntos contra você ao mesmo tempo. Você precisa estar ligado em ambos e derrotá-los para que, na segunda metade, encarar o gigante “apelão”. Isso mesmo, a Capcom fez sua própria versão de Ornstein & Smaugh em um jogo de luta: a gente morre incontáveis vezes até aprender as manhas da luta e enfim derrotar Galactus.

Outro modo possível de jogar Offline é o conjunto de estágios chamado Heroes & Heralds. Imagine um tabuleiro com territórios em forma de hexágonos lado a lado em que você precisa vencer cerca de 10 partidas para controlar determinado território e conforme você se aproxima de atingir 100% de controle, mais difíceis serão as lutas e como não poderia deixar de ser, já que estamos na geração das cartinhas, no modo Heroes & Heralds você ganha cartas que modificam alguns atributos durante a luta como fazer a barra de especial aumentar mais rápido, desaparecer ao se aproximar do oponente, defesa automática e outros. Equipar as cartas certas na hora das lutas pode ser de grande vantagem, principalmente contra oponentes muito fortes como o Hulk ou a Sentinela.

Uma coisa bem legal sobre os personagens é a possibilidade de modificar suas skins. Na tela de seleção, você pode trocar a aparência do lutador apertando os gatilhos (L1 ou R1, no Ps4) e escolher entre cerca de 5 cores diferentes mais um uniforme alternativo – o do Wolverine é ele nu como na revista Arma X, o do Hulk é ele como o gladiador do Planeta Hulk. No entanto um deslize besta faz com que seja preciso confirmar sua seleção antes de ver a roupa, o que resulta em um vai e vem de “seleciona, volta, troca roupa, seleciona, volta, troca roupa, seleciona, volta, seleciona, agora sim” que não existiria caso fosse possível ver a aparência antes não é mesmo, Capcom?

Veredito

Eu, pessoalmente, não acho que a Capcom fez um bom negócio colocando personagens de franquias tão distintas pra competir num jogo de luta com heróis tão consagrados como os da Marvel, mas esse aspecto não é culpa apenas desse título; vem desde o primeiro jogo da franquia. Embora esse seja o exato oposto do meu game de luta preferido (o maravilhoso Mortal Kombat 9), uma vez que eu consegui jogar contra um oponente sentado ao meu lado, no mesmo sofá a experiência que antes era bem sem sentido e excessivamente colorida, se transformou em algo mais divertido e eu finalmente deixei de lado as implicâncias que tive com suas escolhas artísticas e de personagens pra focar no que importa: a competição entre os jogadores.

Ultimate Marvel vs Capcom 3 não vai mudar a vida de ninguém e muito menos chacoalhar a indústria como Street Fighter IV fez mas existe um brilho (muito brilho) especial nesse jogo e ele surge no momento em que nos entrega nostalgia e diversão com os amigos. Estamos diante de um dos reis dos arcades e o nosso “eu” do passado não espera nada além disso.

Ultimate Marvel vs Capcom 3 foi lançado até o momento apenas no PlayStation 4. Análise feita a partir de uma cópia da versão PS4 cedida pela assessoria de imprensa da Capcom.

Let's rock and ride!
DEIXE UM COMENTÁRIO
ÚLTIMAS ANÁLISES
  • Análise South Park: A Fenda que Abunda Força

    A polêmica continuação de “The Stick of Truth” traz diversas melhorias em gameplay, um combate mais evoluído e divertido, mas uma história menos desenvolvida, confira nossa análise de “A Fenda que Abunda Força”, o novo South Park.

  • Análise Assassin’s Creed Origins

    Depois de 10 anos de uma das mais relevantes franquias da indústria de jogos AAA, Assassins’s Creed deu claros sinais de necessitava de uma reformulação. Será que a Ubisoft conseguiu repetir o sucesso de Assassin’s Creed 2?

  • wolfenstein_II

    Análise Wolfenstein II: The New Colossus

    A ameaça nazista nunca dorme, mas o nosso herói “Terror Billy” também não, e ele está de volta mais uma vez mandando bala com suas armas e trajes futuristas em Wolfenstein II: The New Colossus.

  • Análise The Evil Within 2

    Melhorando o que não funcionou bem no primeiro jogo e fazendo bom uso da experiência de Shinji Mikami, The Evil Within 2 é uma boa dose de terror e sobrevivência.

  • SOBRE
    O Conversa de Sofá é um site com notícias, dicas e tutoriais sobre jogos, análises e novidades sobre os últimos lançamentos e cobertura de eventos.
    Asantee Games
    Ethanon Engine
    REDES SOCIAIS