Análise Cris Tales (Xbox One)

Cris Tales é um JRPG com visual encantador, unido a uma mecânica inovadora em uma aventura sútil sobre viagem no tempo.

Cris Tales gira em torno de uma  jovem órfã com poderes mágicos chamada Crisbell. Seguimos um grupo de jovens e poderosos indivíduos que vagam pelo perigoso mundo de Crystallis através dos Quatro Reinos em busca da cruel Imperatriz Temporal que busca mudar o do mundo. Matias, um sapo falante, serve de guia nesta aventura. Cada um dos companheiros tem habilidades mágicas especiais próprias que os tornam determinantes nas futuras batalhas. Eles terão que explorar diferentes locais para descobrir mais sobre suas habilidades na esperança de derrotar a Imperatriz Temporal. Em sua busca, eles ajudarão os súditos dos reinos a decidirem seu futuro.

Cris Tales soa como um JRPG, porem o game pode ser dividido em dois estilos de jogo diferentes. Por um lado, você terá que explorar, interagir com muitos personagens e, por outro, lutar. O enredo é contado em diálogo e é, no geral, bastante cativante. A história sincera e emocionalmente carregada, que é principalmente sobre Crisbell e os poderes que ela cultiva, carregam toda a trama.
Da mesma forma, o papel dos outros personagens e como eles se encaixam na história, seja como parte de uma busca paralela ou como uma forma de avançar a narrativa, encoraja o jogador a aprender mais sobre o assunto deste mundo fascinante e de tirar o fôlego.

O visual em Cris Tales Impressiona…

Passado, presente e

No entanto, a exploração deixa muito a desejar. Há uma caminhada monótona entre os diferentes pontos de interesse em Cris Tales. Para chegar à cidade de St. Clarity, por exemplo, é preciso subir muitos degraus sem fim. Esses momentos vazios servem para a imersão do jogador em Cris Tales. Mas não é isso que torna a exploração decepcionante no jogo. Não há muitos lugares para explorar, principalmente porque é um jogo 2D. O jogo baseia-se nas diferentes temporalidades para dar uma falsa impressão de escala à exploração, mas não é bem assim que funciona.

No que diz respeito à forma como essas diferentes temporalidades foram concebidas, achei o resultado bastante intuitivo. Depois de passarmos por uma introdução rápida, a tela se divide em 3 partes, passado, presente e o futuro. Você tem a possibilidade de ver ao mesmo tempo o estado do mundo nessas três camadas. Você precisa usar essa habilidade para encontrar itens e resolver quebra-cabeças. Por outro lado, você terá que enfrentar certos dilemas morais. Por exemplo, no início do jogo, você descobrirá que algumas casas são afetadas por Ashblight (um tipo de molde que torna as casas pouco higiênicas). Usando suas habilidades, seu amigo sapo Matias pode dar um salto no tempo para resolver o problema antes que ele se intensifique, mas você não pode consertar tudo. Portanto, você terá que fazer escolhas para o bem-estar do reino.

Ao progredir em Cris Tales, podemos liberar novos aliados para ajudar nas batalhas.

Poderia ser menos complicado?

Este sistema estende-se ao combate onde também pode aproveitar o seu acesso a diferentes temporalidades. Você pode envenenar um inimigo e depois ir para o para que o efeito do veneno seja instantâneo (muito dano com um golpe que substitui o dano com o tempo). O problema é que, ao enviar um inimigo no passado ou no futuro, ele se torna o que era ou o que será naquele momento. Frequentemente, isso acaba se tornando um pouco perigoso, mas isso varia de acordo com sua estratégia em combate.

Até então tudo soa perfeitamente bem, o sistema de temporalidades é muito bom na parte de exploração, mas nem tanto na hora do duelo contra os inimigos. Cris Tales é jogado como um JRPG clássico: você escolhe um movimento e Crisbell e seus companheiros o fazem. O problema é que as lutas são realmente muito difíceis e se você abusar da estranha mecânica de sincronização, será quase impossível vencer a luta. Você deve pressionar uma tecla ao mesmo tempo em que um dos personagens acerta ou é atingido para afetar significativamente o dano aplicado. Às vezes é muito frustrante sincronizar, principalmente por causa da dificuldade das lutas. Espere que todos os seus ataques sejam moderadamente eficazes, enquanto os de seus oponentes são devastadores, e isso acaba causando um certo desconforto no momento onde o game deveria mostrar seu ponto alto e pra piorar a dificuldade, os inimigos não têm uma barra de saúde visível, ou seja, você nunca saberá se está próximo de derrotar o inimigo ou não, e isso causa um certo grau de ansiedade durante os duelos. Sinceramente achei a ausência da barra de saúde adversária algo bem falho em um jogo como este, então já fique ciente que caso queira jogar o game, lute como se não houvesse amanha !

Os combates em Cris Tales, podem se tornar exaustivos.

Batalhas poderiam ser mais intensas

Seria bom se após as batalhas mais intensas, sua vida e algumas estatísticas dos seus personagens fossem redefinidas, mas infelizmente esse não é o caso, então o que isso quer dizer ? Se você sair vitorioso em uma luta, isso significa mais ou menos que você está condenado às próximas que vier. Essa escolha acabou me incentivando a evitar lutas desnecessárias. Infelizmente, encontros casuais com inimigos em áreas “selvagens” são muito comuns.

Existem muitos equipamentos disponíveis para Crisbell e seus companheiros para ajudá-lo em combate, mas é muito caro. No início do jogo, é mais barato alugar uma sala para restaurar sua equipe do que comprar uma poção de cura simples que nem mesmo permite que você regenere totalmente a barra de saúde. O jogo poderia ser mais equilibrado nesse sentido.
É uma pena porque visualmente, Cris Tales é um dos jogos com um visual em desenho mais lindo que já vi, acredite, é sublime.

A mecânica das três camadas em uma única tela mostrando o passado, presente e faz você apreciar mais o game.

Visual de tirar o fôlego, mas o som peca na hora de tirar nota 10

Para dar apenas um exemplo, o piso das catedrais reflete perfeitamente a sala e se integra ao estilo gráfico habilmente desenvolvido para oferecer aos jogadores as cenas mais bonitas possíveis em um jogo. Além disso, os personagens foram desenhados no mais alto nível. Eles são todos únicos. O pessoal da Dreams Uncorporated realmente fizeram um trabalho fantástico de trazer este mundo à vida. Infelizmente é irritante que seja uma tarefa árdua cruzá-lo.

O som é outro quesito que falha se compararmos com a beleza gráfica do jogo, pois não existe temas que envolvam o cenário, assim como não há nenhuma trilha sonora marcante que corresponda todo o empenho que foi dado a arte visual. De certa forma incomoda um pouco, você ter visual mas não ter um som em sintonia com aquilo que esta assistindo, porém não é exatamente um grande problema, mas para um jogo que apostou tanto na visual, a parte sonora que poderia fazer uma fusão com a qualidade visual de Cris Tales, ficou bem “Bleh”.

Conclusão

Em Cris Tales, existem fracassos e acertos. adorei algumas partes do jogo enquanto odiei outras. É uma experiência mista. Quem sabe uma atualização com alguns pequenos ajustes para tornar as lutas mais interessantes.

Cris Tales poderia, honestamente, ser um jogo incrível, mas do jeito que está, é difícil ver algo mais do que uma exibição de cenas envolventes que contam uma história intrigante e única, mas tristemente minada por um mundo vazio e lutas nada animadoras.


Cris Tales foi testado em um One e está disponível também para Switch, PC, 4, PlayStation 5, One e |S.