Análise Don’t Die, Minerva! (Xbox One)

Don’t Die, Minerva! é um rogue-lite da desenvolvedora Xaviant e seu gameplay ocorre em uma mansão mal-assombrada bem aos moldes de Luigi’s Mansion.

Don’t Die, ! é um da desenvolvedora e seu gameplay ocorre em uma mansão mal-assombrada onde a protagonista é uma menina de 11 anos chamada Minerva, que não se lembra como e nem o porquê de estar naquela mansão.

O game se inicia com Minerva carregando consigo uma mochila e uma lanterna, até que se depara com um mordomo chamado Mr. Butteworth, que explica que ela está sozinha e a indica ao elevador para iniciar a missão onde Minerva deverá eliminar fantasmas e outras criaturas que assombram todos os andares superiores da mansão.

Logo no elevador nos deparamos com um brinquedo de pelúcia que fica anexado a sua mochila, se tornando um grande aliado na luta contra os inimigos que estarão por vir no decorrer do jogo.

O salão de entrada da Mansão e o mordomo Mr. Butteworth

Sua principal arma é uma lanterna bem aos moldes de ’s Mansion, mas no decorrer do seu progresso, você coleta itens que a deixam mais poderosa, podendo causar mais danos nos inimigos e derrota-los mais facilmente, pois alguns inimigos tem uma dificuldade elevada, e isso é notado logo no início do game, onde nos deparamos com uma variedade moderada de monstros te atacando e até mesmo cuspindo bolas de fogo em várias direções. E cabe a você elaborar seu plano de ataque e defesa, gerenciando sempre a distância para não sofrer ataques em massa do inimigo, e é ai que a lanterna não se torna tão eficaz e você é praticamente forçado a usar seu bicho de pelúcia que ganhou logo no início, que acaba fazendo todo o trabalho de limpar as hordas de monstros mais fortes enquanto Minerva fica com a sobra de inimigos mais dispersos.

E só após derrotar todos que é possível acessar os outros cômodos daquele nível mesmo que alguns sejam apenas armadilhas, ou seja, uma sala pequena recheada de fantasmas e morcegos te atacando que se o jogador não tiver habilidade necessária, com certeza deixará Minerva morrer, e não é isso que queremos.

Conforme subimos os andares da mansão que nada mais são do que níveis, chegamos em um momento onde enfrentamos os chefes que por lembranças e flashs do meu passado com games, me lembrou sutilmente , onde você tem que atacar e fugir das magias do chefão antes que te causem dano, pois o sangue de Minerva se perde facilmente e é difícil os inimigos droparem vida para recuperar a saúde.

Minerva enfrentando morcegos e fantasmas em um cenário no maior estilo mansão mal assombrada

O jogo te força a morrer o tempo todo, mesmo pegando itens que deixam sua lanterna mais poderosa, bota que faz andar mais rápido, equipando seu bicho de pelúcia com poderes melhores e de longo alcance ou até mesmo aumentando o seu nível de vida. A cada nível os inimigos estão mais fortes com salas cada vez menores e mais difíceis de se esquivar, ou seja, habilidade é fundamental para vencer todos os níveis do jogo, pois caso Minerva morra, você inicia o game desde o início e sem as habilidades que conquistou na jogada anterior, somente a lanterna continua, deixando o jogador um tanto quanto frustrado.

O visual e som cumprem perfeitamente a proposta fantasmagórica do game. As , iluminação e efeitos sonoros imersivos nas salas são tão bem elaborados em que um certo momento, me deparei com o carpete exatamente igual ao do de terror O Iluminado. Quer referência melhor do que essa? No mais, podemos encontrar em todos os lugares diversos itens de e que realmente vendem a temática de Don’t Die, Minerva!

O carpete da mansão faz uma referencia direta a um dos filmes clássicos do terror : “O iluminado”

Conclusão

Don’t Die, Minerva! é um game de terror com temática bastante tradicional no maior estilo Halloween, com salas escuras, janelas refletindo relâmpagos e a mecânica do jogo é desafiante e ao mesmo tempo divertida. A gameplay mesmo sendo um pouco difícil é justa, ou seja, se você deixou Minerva morrer é porque você falhou.

A parte negativa do jogo é o posicionamento de alguns inimigos. Diversas vezes enquanto eu entrava em uma sala que havia acabado de desbloquear, já me deparava com inimigos em frente a porta já levava dano sem ao menos conseguir me esquivar. Fora isso vale a pena enfrentar cada nível e enfrentar todos os desafios pois é diversão na certa, mesmo morrendo bastante no começo, logo você pega o jeito e fica cada vez mais com vontade de finalizar o jogo e ter aquela sensação de alivio no fim.

Don’t Die, Minerva! é um jogo que precisa de pequenas correções, mas muito promissor feito pela Xaviant.

A análise de Don’t Die Minerva foi escrita com base em uma cópia digital para o , gentilmente cedida pela assessoria de imprensa do jogo.


Nós do Conversa de Sofá acreditamos que o videogames são uma mídia poderosa e revolucionária e que somos muito privilegiados em poder ter acesso a essas obras desenvolvidas por pessoas talentosas do mundo todo. Por isso, nesta época em que somos ameaçados pelo Covid-19, fique em casa e aproveite a oportunidade para jogar muito videogame. Ficando em casa você não só pode apreciar os melhores jogos como também pode contribuir para que possamos voltar à nossa rotina o mais rápido possível, além de salvar vidas.