Análise Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition (PlayStation 4)

A série Pathfinder de RPG foi criada em 2009 e ganhou sua própria adaptação para os videogames em 2018 com Pathfinder: Kingmaker, para PC e Mac, após uma campanha de financiamento coletivo.

Pathfinder Kingmaker Definitive Edition Title

Até recentemente eu nunca soube como funcionava um RPG de verdade. Embora o gênero de jogos de mesa fosse muito famoso (e até infame no Brasil da década de 1990) eu acho que nunca esbarrei nesse tipo de jogo na infância ou adolescência para aprender a jogar. Foi com Skyrim e Dragon Age Inquisition que eu pude perceber como as mecânicas e as regras do jogo funcionam, por meio das escolhas de classes e suas habilidades, pontuação de ataques e defesa, uso de poções ou pergaminhos e a existência de companheiros durante o jogo. Não fosse essa introdução bastante suave (além dos inúmeros jogos atuais que emprestam elementos de RPG), eu não teria a mínima condição de jogar – e apreciar – um como Baldur’s Gate, Pillars of Eternity, Divinity Original Sin ou : Kingmaker – Definitive Edition.

Pathfinder Kingmaker Character Creation
É possível jogar com personagens existentes ou criar um novo.

A aventura se passa em um universo de fantasia tradicional, com humanos, elfos, trolls e goblins, etc. Tudo começa com o nosso personagem sendo recebido por Jamandi Aldori, a governante de Rustov, de quem recebemos a missão de eliminar o “Stag Lord”, um bárbaro que espalha o terror pelas chamadas Terras Roubadas (Stolen Lands), com a promessa de estabelecermos o nosso próprio território, ocupando o posto de Barão. É nesse momento que conhecemos os demais personagens da nossa party, que nos acompanharão nas aventuras.

Pathfinder Kingmaker Party
Selecionar um personagem na poderia ser mais funcional

A movimentação pelo vasto mundo acontece de forma figurativa, em uma representação de tabuleiro, no qual descobrimos novos pontos de interesse e eventuais dungeons a serem exploradas. Embora o mundo representado aqui seja vasto, nem todos os cenários são amplos, de modo que algumas localidades sequer possuem uma extensão a ser explorada, servindo apenas de palco para batalhas em um encontro aleatório com inimigos. Por outro lado, quando entramos em uma dungeon é possível explorar completamente o local, revelando aos poucos as áreas cobertas pela “neblina de guerra” (Fog Of War), comum em jogos de visual isométrico, localizando inimigos e tesouros, além de passagens para locais inacessíveis.

Pathfinder Kingmaker Art
As belíssimas artes do jogo ajudam a contar a história.

A tilha sonora e os design de som são excelentes. Os gráficos Também são muito bonitos de modo geral, embora o modelo dos personagens não sejam tão detalhados, sobretudo na tela de gerenciamento dos equipamentos. Por outro lado, a direção de arte dos menus é da apresentação do jogo são belíssimas, com gráficos que emulam páginas de livros desenhadas à mão. O apuro visual é muito bem-vindo, pois cerca de metade do gameplay consiste em ler as informações em nos mais variados menus. Meu destaque vai para a tela de escolha do alinhamento moral do personagem e as cartas que representam cada um dos personagens.

Pathfinder Kingmaker Alignment
Lawful, Neutral e Chaotic. Alinhamentos clássicos marcam presença em Pathfinder: Kingmaker

Prepare-se para ler muito!

Como um CRPG que se preze, Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition exige dos jogadores muita leitura. Muita mesmo. Desde os diálogos com NPCs (alguns enormes) passando pelo aprendizado sobre o efeito de uma magia ou poção, estatísticas de ataque e defesa, além de um glossário que pode ser consultado sempre que a dúvida invadir o nosso coração. A carga de informação sobre o folclore (lore) do jogo é tão grande que até mesmo as explicações no glossário possuem referências próprias, com explicações sobre esse ou aquele evento, país ou divindade. Infelizmente, não há tradução dos textos para o português brasileiro. O que em outros jogos seria uma barreira até contornável, em Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition a barreira da língua transforma-se em uma muralha intransponível, a menos que o jogador esteja disposto a aprender outro idioma enquanto joga.

Pathfinder Kingmaker Glossary
É tanta informação que as conversas possuem até glossário!

A segue os rumos de aventuras de alta fantasia, com um roteiro interessante e vários mistérios a serem desvendados pela jornada. Os diálogos importantes possuem dublagem em inglês, deixando a conversa somente em texto para conversas mais casuais. Assim como em Pillars Of Eternity, por exemplo, existem momentos em que a aventura é apenas narrada, sendo contadas por figuras em um livro. Geralmente em trechos que envolvem grandes feitos pelos personagens, deixando para a nossa imaginação a criação daquela cena. Já feitos mais mundanos, como escalar um barranco ou desvencilhar-se de uma armadilha ou objeto acontece dentro da engine do jogo, com a realização de um check de habilidade, como destreza, agilidade ou força.

Ao jogar Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition é impossível não ter a impressão de estarmos diante de uma transposição de todas as características de um RPG de mesa para a mídia do videogame. Essa característica é evidente em todos os aspectos do jogo, pois os atributos e estatísticas da ficha de cada personagem são relevantes até mesmo nas viagens pelo mapa, pois aqueles com menos resistência ficarão mais cansados, impactando uma eventual luta a seguir.

Pathfinder Kingmaker Rest
Mesmo descansar possui uma camada de gameplay que pode impactar o jogo.

Caverna do Dragão

O combate é um dos aspectos mais ricos do jogo e Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition oferece ao jogador a excelente opção de poder escolher entre o combate em tempo real, com a possibilidade de pausas a qualquer momento para dar novas ordens aos personagens (tal como em Pillars Of Eternity), ou em batalhas por turno, organizadas de acordo com as estatísticas de iniciativa de cada participante, ideal para quem necessita pensar um pouco mais antes de tomar uma decisão equivocada. A alternância entre os dois modos pode acontecer a qualquer momento, com um simples toque de botão.

Pathfinder Kingmaker Battle
Tudo é decidido no rolar dos dados!

O combate é desafiador (para dizer o mínimo) pois Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition não tem a intenção de facilitar as coisas para o jogador. É aqui que o jogo se destaca de outros RPGs eletrônicos, para o bem e para o mal. Não que as mecânicas sejam ruins, mas elas são relativamente complexas, uma vez que possuem toda a carga de detalhes e informações de um RPG de mesa. Enquanto outros jogos do gênero optam por deixar ocultas as peculiaridades envolvidas na dinâmica de pontuação com base nas características e estatísticas dos personagens, exibindo somente alguns aspectos como dano causado, chance de acerto ou alguns efeitos ativos, Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition coloca toda a informação do RPG exposta para observamos e trabalharmos com ela. A cada ataque podemos ver qual a rolagem dos nossos dados e a rolagem dos inimigos com a pontuação correspondente, bem como se houve a utilização de um ou outro atributo, em checks de habilidades e saving throws.

Pathfinder Kingmaker Sheet
É sempre bom inspecionar a ficha dos inimigos para encontrar a melhor forma de atacar.

Desta forma, saber quais as melhores armas, habilidades, magias e poções passa obrigatoriamente pela análise atenta da ficha de cada inimigo, onde podemos aprender se ele é vulnerável a uma intimidação ou o porquê dele receber dano reduzido deste ou daquele personagem. Inclusive, saber por qual motivo, razão, causa ou circunstância Amiri, a bárbara da party, sempre erra os ataques. Como eu disse, não é simples, mas é muito satisfatório. Conseguir tomar o controle das batalhas entrega uma satisfação tão grande quanto acertar um ataque crítico, pois Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition não nos poupa nem um pouco. A curva de aprendizado é severa, inclusive com uma significativa demora para subir cada nível dos personagens (XP custa caro), mas recompensadora àqueles que estiverem dispostos a enfrentá-la.

Além da travessia de mapas, gerenciamento de party e combates, Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition também traz uma mecânica de gerenciamento de reino, com a construção de prédios para melhoramento da capital, indicação de conselheiros para resolver assuntos pertinentes que podem melhorar ou prejudicar a sua reputação e até tomada de outras terras. Tudo isso acontece em paralelo às aventuras com a sua party, expandindo em muito as horas de jogo.

Erro crítico!

Como em todo jogo, nem tudo são flores e Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition possui sua cota de problemas, embora as qualidades façam com que o saldo seja muito positivo. A adaptação da interface de PC para o console é funcional, mas não tão intuitiva, pois não raro acabamos por entrar no menu errado em uma confusão de botões causada pelo desenho da interface. A navegação pelos menus também é ligeiramente dificultada pela própria disposição destes – em fileira. Ainda assim, o trabalho feito pelos desenvolvedores é válido, se pensarmos na dor de cabeça que é traduzir a utilização de mouse e teclado para um controle. Também pude notar alguns leves travamentos durante a movimentação dos personagens no mapa, o que não parece ser razoável considerando a aparente pouca complexidade gráfica de um jogo com visão isométrica, mesmo que em 3D. No mais, o jogo entrega o que se propõe, sendo um CRPG que tenta se aproximar ao máximo de uma experiência completa do jogo de mesa.

Pathfinder Kingmaker Reino
Além da nossa party, também precisamos administrar um território!

Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition oferece muito conteúdo de qualidade no jogo base e ainda conta com duas DLCs. Quests relevantes, personagens carismáticos, intrigas políticas e batalhas desafiadoras fazem parte de um pacote que certamente irá agradar àqueles que gostam desse gênero, fazendo valer o investimento de tempo e dinheiro, bastando que não se espere que um CRPG hardcore seja outra coisa. E para aqueles que se interessarem de verdade, uma Pathfinder: Wrath Of The Righteous, já está sendo financiada no Kickstarter.

Pathfinder: Kingmaker – Definitive Edition foi desenvolvido pelo estúdio russo Owlcat Games e publicado pela Deep Silver. O jogo foi lançado no dia 18 de agosto e está disponível para PlayStation 4, One e PC.

A análise foi feita em um PlayStation 4 Pro, com uma cópia digital do jogo gentilmente cedida pela Deep Silver.


Nós do Conversa de Sofá acreditamos que o videogames são uma mídia poderosa e revolucionária e que somos muito privilegiados em poder ter acesso a essas obras desenvolvidas por pessoas talentosas do mundo todo. Por isso, nesta época em que somos ameaçados pelo Covid-19, fique em casa e aproveite a oportunidade para jogar muito. Ficando em casa você não só pode apreciar os melhores jogos como também pode contribuir para que possamos voltar à nossa rotina o mais rápido possível, além de salvar vidas.

Tiago Matias Escobar
Metaleiro não uniformizado. Cerveja, pizza, games e viagens ocasionais.