Análise Redout: Space Assault (Xbox One)

Redout: Space Assault é um jogo de nave espacial repleto de ação que exige movimentos rápidos e precisos com uma leve pitada de Star Fox 64.

é um jogo de ação espacial desenvolvido pela 34BigThings e nele você joga com Leon, assumindo o comando do esquadrão. Você terá a tarefa de policiar o espaço, manter a paz e impedir insurgências rebeldes. Depois de meio jogo sendo cúmplice de crimes de guerra e atrocidades horríveis, Leon poderá mudar de ideia e conceitos. A história é contada por meio de trechos de diálogos e cenas simples durante as missões, mas tudo soa bem genérico e vazio.

O ponto positivo de Redout: Space Assault é a jogabilidade que flui bem aos comandos. O game é dividido em um total de 43 missões com capítulos. Pode parecer muito, mas poucas dessas missões duram mais de cinco minutos o que da uma ligeira impressão de que o jogo foi desenvolvido principalmente como um título para celular. A maioria dessas missões são percursos de tiro simples, mas há exceções que vou te explicar mais tarde. Os níveis do game farão com que você prossiga através de um curso linear, evitando quaisquer obstáculos ou terreno colocado em seu caminho e atirando nos inimigos.

Para fazer isso, sua nave possui uma arma primária e mísseis lock-on. Completar cada capítulo concederá a você uma nova arma primária, e a partir daí podemos alternar entre elas no início de cada nível (ou ressurgir da morte). Parece bastante simples, e é, ainda mais porque a arma primária dispara automaticamente contra e qualquer alvo que esteja diretamente à sua frente. Creio que isso foi adaptado para os dispositivos móveis mas não se preocupe, pois podemos ativar o disparo manual nas opções. Para mísseis, você segura o gatilho para travar em vários alvos e soltá-lo para disparar. Mais mísseis, maior quantidade de dano. Você pode acelerar ou frear por alguns segundos lembrando vagamente .

Aquela vaga lembrança de já ter pilotado uma nave assim, isso te lembra ?

Um detalhe que vale a pena acrescentar é que diferente de Star Fox 64, onde controlamos a nave de e miramos nos inimigos, em Redout: Space Assault, ao tentar acertar os inimigos, nossa nave se move na mesma direção da retícula de mira. Isso pode não parecer uma grande diferença, mas torna o movimento e a mira muito mais como posso dizer, hmm… digamos que uma “ação simultânea” seria a forma correta de descrever essa ação. A esquiva é bem fluída e dá mais peso às oportunidades de ataque enquanto se inclina em direção ao alvo. E as pequenas aplicações de não fazer isso podem custar caro e tornar a experiência do jogo horrível e eu vou explicar o motivo.

Em Redout: Space Assault, você controla apenas o movimento da sua nave. Isso significa que você deve apontar sua nave diretamente para um alvo para permitir que a arma principal atire. Se estiver recebendo dano, você não pode ficar focado por muito tempo. É aqui que os mísseis de travamento automático se tornam o seu maior aliado, mas não significa que você não deva dar valor à arma principal. Por que se preocupar em alinhar o tiro quando posso me concentrar em me esquivar e fazer com que os mísseis façam o trabalho por mim? Dado que as primeiras duas armas primárias pareciam bastante fracas no início, isso da uma sensação mais encorajadora para conseguir itens melhores, mas nem tudo são flores e logo percebemos a dificuldade quando chegamos nos níveis seguintes, teve momentos em que minha nave explodia com apenas um ou dois hits, era bizarro!

Isso acabou me forçando a pilotar mais atento para eliminar os alvos, uma vez que a saúde aumenta nos estágios posteriores. O nível final do segundo capítulo foi uma parede absoluta no início, porque você tem que destruir uma nave principal capaz de nos aniquilar em uma rajada de energia, e  para piorar a situação precisamos destruí-la antes que o  cronômetro zere e ela escape.

Tente errar o mínimo possível, principalmente nos capítulos onde o cronometro é a favor do inimigo.

Os níveis são bem lineares na maior parte do conteúdo de Redout: Space Assault, mas alguns permitem que você voe em áreas mais abertas. Geralmente acabam sendo “encontre o item/inimigo oculto” em um campo de asteroides. O primeiro que você encontra literalmente não tem oposição, você apenas entra e sai voando para pegar algo. É isso. Mais tarde, esses trechos mais longos são usados ​​para preencher a exposição da história enquanto você está viajando, mas a jogabilidade sofre como resultado. Quase nunca há um nível como este que usa bem o espaço, muito menos lançam um conjunto decente de inimigos em você. Se isso acontecesse, você ficaria completamente sobrecarregado devido à falta de clareza que o jogo não consegue entregar.

Existem também os níveis de corrida. Há apenas alguns deles, lembrando o Redout original, mas também são tão lineares quanto. É apenas o caso de desviar dos obstáculos, acertando o máximo de impulsos que puder. Precisamos de muita calma para que os hitboxes sejam precisos (eles não são) ou se preocupando que os espaços sejam tão estreitos que os oponentes irão bloquear você (eles irão), efetivamente forçando um reinício. Você tem tão pouco espaço para trabalhar ou capacidade de manobra que é quase um capricho do jogo quando você tem sucesso.

É muito fácil morrer em Redout: Space Assault, dados os altos danos e problemas técnicos. Felizmente, temos respawns infinitos, o que nos da um gás a mais para completar as missões. Se você estiver em uma corrida ou em um cronômetro, isso provavelmente vai atrapalhar você, mas por outro lado, a única penalidade é perder todas as suas fichas. Os tokens são a moeda que você obtém abatendo inimigos ou pegando-os nas rotas de voo. No final da missão, eles são convertidos (junto com os objetivos concluídos) em dinheiro para gastar em atualizações.

Redout: Space Assault possui gráficos e visuais incríveis.

As atualizações permitem que você invista seus pontos em uma das quatro categorias: Casco, Escudos, Armas e . Cada atualização custa mais tokens e são necessárias dez atualizações em cada uma para realmente ganhar um nível e ver qualquer tipo de melhoria, ou seja, você só verá aumentos a cada dois níveis, a menos que repita as missões para completar os objetivos secundários perdidos. Além disso, cada missão completada nós recebemos duas cartas de saque onde podemos selecionar para dar um pequeno impulso passivo, desde que você as segure. Isso inclui coisas como um aumento de 5-10% em qualquer atributo único e talvez um efeito secundário menor. Eles são tão pequenos e desinteressantes, e só são realmente valiosos porque o que você não escolhe é descartado por dinheiro.

De qualquer forma, as atualizações de Redout são ritmadas de uma maneira que nunca sentia que estava progredindo o suficiente. Eu priorizei escudos e mísseis inicialmente mas mudei fortemente para a capacidade de sobrevivência quando comecei a ser aniquilado pelo inimigo. Não só eu ainda não conseguia acompanhar os danos sofridos, mas agora não estava matando os inimigos a tempo. A única maneira que consegui manter foi repetindo os níveis e cumprindo os dois objetivos secundários de cada missão. Mesmo assim isso acaba se tornando uma tortura, pois um passo em falso causa a morte, o ressurgimento e a perda de todos os tokens reunidos, então prepare-se para morrer!

Os níveis são variados, mas também são curtos e carecem de substância. As galerias de tiros são as partes mais divertidas, mas sofrem com falhas de controle e hitboxes estranhos no terreno. A produção de dano do inimigo é muito alta, mesmo se você colocar todos os seus pontos de progressão em sobrevivência. A história não é muito interessante e as partes que poderiam ter tido conteúdo são mal apresentadas. ponto negativo é  quando há momentos em algumas cenas que forçam a todo custo sua câmera ou controles para longe no meio da missão, fazendo com que você bata no terreno enquanto tenta a todo custo escapar delas.

A dificuldade de Redout:Space Assault é alta e precisamos saber mesclar as habilidades de tiro e fuga para não ser penalizado.

Basicamente, não há nada significativo em Redout: Space Assault. Sem uma boa história ou um sistema de progressão que valha a pena, em nenhum momento o jogo me deixava com vontade de progredir. Ele não tinha os caminhos divididos ou o potencial de ataque de pontuação de clássicos como Star Fox 64.

O único ponto positivo que posso dar e que parece bom o suficiente é a trilha sonora  boa e envolvente.

Confesso que fiquei totalmente empolgado ao ver o trailer do game e aquela pegada de Star Fox no ar, me deixou morrendo de vontade de jogar, mas infelizmente é tudo ilusão e eu não recomendaria o game para quem pensa em apenas se divertir com um jogo de nave. Agora caso você queira apoiar os desenvolvedores indie, corra e confira o Redout original, ele sim vale cada segundo, mas Redout: Space Assault não.