Análise Twin Mirror (PS4)

Twin Mirror é um jogo de ação e aventura investigativo em que é preciso encarar fantasmas do passado em meio a uma trama de mistério e assassinato.

Twin Mirror arte da capa

Eu passei grande parte da minha infância e adolescência em uma cidade muito pequena, com menos de 8 mil habitantes, então a ambientação de e principalmente a angústia do protagonista em voltar contra sua vontade para a sua cidade natal é algo que já experimentei algumas vezes.

Existe algo claustrofóbico em cidades do interior que é difícil explicar, é um sentimento denso, pesado, e a impressão que eu tinha enquanto crescia era que precisava sair dali antes que a cidade, de uma forma malévola, me sufocasse com a sua monotonia e mesmice.

O mundo parecia muito maior e incrível e coisas estavam acontecendo sem que eu participasse delas. Em resumo, tudo estava em movimento e eu parado no tempo criando raízes cada vez mais grossas, difíceis de serem cortadas a cada dia que passava.

E quando você finalmente consegue se desprender dessas amarras e muda para uma cidade maior é tudo muito novo e maravilhoso, você pode se reinventar, ser quem você quiser e viver uma vida mais cosmopolita. Mas por força do destino em algum momento é preciso voltar, e mesmo que por poucos dias, esse regresso sempre deixa um gosto meio amargo no canto da boca. Você vai encontrar amigos que já não reconhece mais, relacionamentos que não terminaram nada bem e uma infinidade de pessoas que te conhecem mais do que você gostaria de admitir.

Twin Mirror Sam Higgs
Sam e o difícil, mas inevitável regresso para casa.

Então quando Sam Higgs precisou retornar à pequena Basswood para o funeral do seu melhor amigo eu não consegui não entrar de cabeça no personagem, querendo eu ou não.

Desenvolvido pela Entertainment e publicado pela BANDAI NAMCO Entertainment, Twin Mirror foi lançado em 01 de dezembro de 2020 para PlayStation 4, e PC (via Store), podendo ser jogado nos consoles de nova geração através do modo de retrocompatibilidade.

O jogo conta ainda com legendas e localização em português do Brasil, algo que sempre destaco como positivo nos meus reviews aqui para o Conversa, já que permite que mais pessoas possam aproveitar ao máximo a obra. E considerando que em Twin Mirror o foco é a narrativa, esse ponto passa não só a ser um fator positivo, mas algo essencial.

Fantasmas do passado

Os motivos para Sam não querer retornar a Baswood são maiores do que a tristeza pela perda do melhor amigo. Logo percebemos que a cidade nunca ficou definitivamente para trás, e o impacto negativo que Sam causou ainda assombra a todos, mas a vítima principal ainda é ele mesmo.

Sam era um repórter investigativo do jornal local e ao descobrir que o principal negócio da região, uma mineradora, não seguia as regulamentações necessárias de segurança, fez o que todo jornalista sério faria: escreveu uma reportagem bombástica denunciando o fato.

Twin Mirror Sam e Anna
Sempre é.

Infelizmente o efeito colateral do texto foi o fechamento da mina e a consequência disso para a economia local foi devastador: demissões em massa, recessão, o crescimento do mercado de drogas na pequena cidade e o despertar da raiva de pessoas que antes eram seus conhecidos, amigos de bar, vizinhos e até de outros colegas de .

Obviamente Sam só estava fazendo seu trabalho, mas ao enterrar o negócio local ele também fez isso com parte de si e se tornou uma pessoa ainda mais fechada do que já era, e após o final de um relacionamento conturbado não havia nenhum motivo para ficar em uma cidade que o odiava com todas as forças.

Tudo estava indo bem até que o falecimento do seu amigo Nick em um acidente de carro faz com que Sam precise voltar mais uma vez a Basswood e enquanto algumas coisas mudaram nos dois anos que ele esteve fora, uma coisa continua igual desde a sua partida: ele continua não sendo bem-vindo.

Ao chegar em Basswood, Sam é confrontado com uma realidade em que as coisas não são tão simples como parecem. Nick, que também era repórter no jornal local, estava atrás de uma história tão ou mais pesada que a da Mina, e talvez o acidente tenha sido montado como forma de encobrir o assassinato dele e cabe a você descobrir a verdade por trás dos fatos, usando todos os recursos que têm a sua disposição.

A grande questão é que o único amigo de Sam nesse caso é Ele mesmo.

Pac-Man
Pac-Man jogável dentro de Twin Mirror

Duas cabeças pensam melhor que uma?

Ele está em maiúsculo nesse caso porque Sam tem um gêmeo mental, uma espécie de anjo (ou demônio) no ombro que aconselha e ajuda Sam a tomar decisões em momentos difíceis e é em volta da forma como Sam lida com a própria mente que o gameplay de Twin Mirror se desenvolve.

Sam tem a capacidade de se isolar no seu Palácio Mental, uma espécie de outra dimensão que só existe na mente dele, para resolver enigmas, reconstruir acontecimentos ou simplesmente pensar na melhor decisão a ser tomada. E embora esse local possa ser acessado para simplesmente reviver memórias é quando Sam o utiliza para juntar pistas e montar cenas que o verdadeiro potencial se revela.

Pela forma que o Palácio Mental e as conversas com Ele são apresentadas não fica claro (inicialmente) se eles são manifestações de poderes similares ao que Max tinha em Life is Strange ou simplesmente alucinações de uma mente doente, mas gradualmente ao longo da história essa dúvida será respondida.

Infelizmente, a mecânica do Palácio Mental apesar de visualmente incrível tem alguns problemas de implementação. Por exemplo, o jogador precisa juntar pistas para que uma cena se desenvolva e enquanto todas não forem encontradas a cena não irá começar, mesmo que você já tenha entendido o que aconteceu.

Validação de hipótese em Twin Mirror
Depois da cena montada você valida a sua hipótese e vê ela acontecendo na sua frente

O outro problema é que o Palácio Mental não tem nenhuma punição para erros (a não ser troféus que podem ser perdidos), se você escolheu opções erradas, a cena vai acontecer, contudo o game avisa que algo não encaixa, você pode então escolher outras combinações e pronto, agora tudo certo. E mesmo se escolher errado uma terceira ou quarta vez, não tem problema, é possível testar quantas vezes quiser até a cena ficar correta.

Isso desestimula o pensamento investigativo e estimula a experimentação, o que para mim é algo sem sentido nesse tipo de proposta.

Escolhas e encruzilhadas

Seguindo a mesma cartilha do já consagrado estilo narrativo característico da desenvolvedora, Twin Mirror também aposta na construção detalhada e crível dos seus personagens e nas decisões e escolhas que mudarão o rumo dessa história.

O gêmeo mental de Sam é mais analítico e centrado, mas a impressão que fica é que ele tenta guiar as suas decisões sempre para o mesmo lado, e embora isso seja condizente com o papel de outra personalidade que ele desempenha, também deixa aparente que essa é a linha narrativa que os desenvolvedores esperam que você siga.

Gêmeo Mental com Anna
Tá na lei: usar óculos significa ser mais analítico

Eu terminei o jogo duas vezes antes desse , uma tomando a maioria das decisões que Ele aconselhava e a outra escolhendo o caminho oposto e embora a guia narrativa central seja praticamente a mesma, a forma como as coisas acontecem varia um pouco, alguns diálogos e reação dos NPCs são diferentes, mas é só no penúltimo capítulo que as escolhas realmente tem um peso significativo e vão influenciar na conclusão que o jogador receberá.

Twin Mirror têm 5 finais e após terminar a primeira vez uma seleção de capítulos fica disponível, e se você não quiser jogar o game inteiro novamente como eu fiz, é possível escolher e tomar decisões diferentes a partir do ponto mencionado acima para assistir a todos os finais.

Mas já fica o aviso, o final bom é o pior de todos, por incrível que pareça. Não no sentido de final feliz, esse está garantido dentro do final bom, mas o cenário completo (ou a big picture, como dizem os americanos) só será revelado nos finais não tão bons ou no final ruim de verdade.

Vale a pena?

Twin Mirror tem uma duração boa comparado a outros jogos do mesmo estilo e uma primeira jogada deve levar cerca de no máximo 8 horas, explorando bem os cenários, apesar de que em alguns pontos ele parece se arrastar de propósito para alongar essas horas.

O fator replay dependerá da sua curiosidade em explorar decisões contrárias ou finais alternativos, e apesar de não ser mandatório é bem interessante ver o que muda e o que permanece igual independente das suas decisões.

Twin Mirror palácio mental
O palácio mental permite a Sam reviver memórias boas e ruins

Na parte técnica o game aposta em visuais mais realistas puxados para o estilo artístico de Tell Me Why, último jogo da empresa, e menos cartunesco do que Life is Strange e Captain Spirit.

A expressão facial durante os close-ups não é fotorrealista, mas é incrivelmente bonita e caprichada, mas a sincronia labial com a dublagem em alguns momentos não é das melhores. Os cenários são ainda mais bonitos e detalhados e apesar de algumas texturas demorarem um pouquinho para carregar em determinadas sequências, o problema some em um segundo ou dois no máximo.

Tive alguns problemas com os ângulos de interação com objetos que somados incomodaram um pouco. Para acessar uma determinada pista muitas vezes eu precisava encontrar o ângulo milimetricamente perfeito ou o prompt de comando não aparecia.

Eu sabia com qual objeto devia interagir, mas enquanto não encontrasse a distância e câmera correta o jogo não me permitia. E esse é um pequeno detalhe que se torna bem importante quando acontece mais de uma vez.

Twin Mirror farmacêutico
Todo mundo tem um conselho para te dar.

Talvez devido ao histórico da empresa em abordar temas pesados como abuso, suicídio e homofobia em seus jogos anteriores eu tenha criado uma expectativa de que Twin Mirror trataria problemas mentais ou de distúrbio de personalidade da mesma forma, mas infelizmente apenas uma pincelada rápida é dada no assunto e o impacto já não é mais tão significativo no ponto em que acontece da história.

Mesmo assim, eu ainda considero Twin Mirror um avanço para a DontNod.

Ao introduzir uma gama de personagens mais maduros que têm toda uma bagagem de arrependimentos e de erros ao longo da vida e acrescentar outros elementos de jogabilidade que distanciem ele da categoria walking simulator a empresa parece querer experimentar novos caminhos e talvez mirar em um público de uma faixa etária diferente da atingida pelos títulos anteriores.

Será que ela conseguiu? Só tem uma forma de vocês saberem…

Espelhos

A análise de Twin Mirror foi escrita com base em uma cópia de PlayStation 4 gentilmente cedida pela assessoria de imprensa do jogo.

Papai Platina
(Pouco) conhecido como Willian. Marido, pai de três filhos maravilhosos, fã de Stephen King, filmes toscos e trophy hunter nas horas vagas. No twitter como @papaiplatina. PSN-ID: willianmarques.